Business Model Canvas – Tire a dor de cabeça do seu plano de negócios

Chegou àquele ponto da construção do seu projecto em que a sua cabeça está cheia de ideias que precisam de ser organizadas? Então, talvez esteja na altura de se rodear das pessoas em quem mais confia para, através de um bom brainstorming, testar a validade dessas ideias.

O Business Model Canvas é uma ferramenta desenvolvida por Alexander Osterwlder e Yves Pigneur que ajuda a delinear, discutir, desenhar e inventar novos modelos de negócio.

Os autores propõem que o modelo de negócios de uma organização pode ser construído com base em 9 eixos fundamentais. O que o Canvas faz é mapear estes blocos fundamentais sobre uma tela (daí o nome Canvas). A si cabe-lhe desenhar a sua ideia num modelo de negócio funcional.

Portanto, prepare uma tela bem grande, seja impressa e presa a uma parede ou desenhada num quadro. Certifique-se de que tem muitos post-its, de preferência de várias cores e tamanhos. Depois, use o Business Model Canvas como guião da conversa. Para cada bloco, discuta as possibilidades. Vá preenchendo os blocos com um post-it para cada ideia, de forma a poder removê-la e colocá-la noutro lugar se isso fizer mais sentido. O objectivo é ter total mobilidade, de forma a poder investigar o que acontece nas diversas vertentes do projecto quando se retira ou acrescenta uma afirmação em qualquer um dos blocos.

O processo pode revelar-se longo e até cansativo, mas é incomparavelmente mais criativo que os modelos de negócio tradicionais. Pelo facto de obrigarem a constantes mudanças de perspectiva, as discussões conduzidas com base no Canvas vão de certeza levá-lo a descobrir aspectos em que nunca tinha pensado, novos recursos ou factores de risco que tinha ignorado.

Executar o Business Model Canvas é um passo importantíssimo para dar forma à ideia do seu negócio. Uma ferramenta que ajuda a reflectir sobre as diferentes dimensões do projecto, e a transmitir aos outros o que está na sua cabeça quando as palavras não são suficientes (aconselha-se que se usem também desenhos, cores e imagens). Permite uma visão global de todo o projecto, o que constitui uma enorme mais-valia para o gestor que passa a encarar o modelo de negócio como uma espécie de puzzle. Quando se faz uma alteração, vê as alterações em todo o modelo.

Os 9 blocos do Business Model CanvasnOs 9 blocos do Business Model Canvas baseiam-se em conceitos bastante simples, pelo menos para quem tenha alguma formação em gestão, marketing ou até comunicação. No entanto, vale a pena aprofundar as noções básicas lendo o Business Model Generation, o livro best-seller que disseminou por todo o mundo a concepção deste modelo de negócio simplificado (pode fazer download das primeiras 72 páginas aqui). Eis as perguntas-chave que deve fazer para cada bloco:

Segmentos de clientes – Quais são as pessoas e organizações para quem o projecto cria valor (utilizadores e clientes que pagam).

Proposta de valor – Para cada segmento de clientes e para cada conjunto de produtos e serviços, qual é o valor que a minha oferta cria.

Canais – Quais são os pontos de contacto através dos quais o projecto chega aos vários segmentos de clientes para entregar o valor.

Relação com o cliente – Quais são os tipos de relação que está a criar com os diversos segmentos de clientes.

Fluxos de receita – Como e através de que mecanismos de pricing o modelo de negócios vai capturar valor.

Recursos-chave – Quais são os recursos indispensáveis ao projecto.

Actividades-chave – Que actividades precisa de desenvolver para ter uma boa performance.

Parceiros-chave – Quem pode ajudá-lo a alavancar o seu modelo de negócio (tendo em conta que os recursos-chave e as actividades-chave não têm de ser todos seus).

Estrutura de custos – Depois de clarificar a infra-estrutura do modelo de negócio (recursos-chave, actividades-chave e parceiros-chave) poderá definir a sua estrutura de custos.

Os vários níveis do Business Model CanvasnO Business Model Canvas pode ser utilizado em diversos níveis. O primeiro é a checklist, isto é, a fase em que se enchem as diversas secções da tela com ideias, se colocam perguntas, se faz e refaz o projecto até que se encontre uma solução em que as receitas sejam consideravelmente superiores aos custos.

O segundo nível é perceber as relações entre os blocos, criando uma história do projecto que possa ser contada e em que se veja o sentido do modelo de negócios. Esta é a fase em que poderá chegar a conclusões como ‘o meu produto até pode ser inferior em qualidade ao do concorrente, mas se souber usar os canais e a política de preço, os meus resultados podem ser superiores’. A história deve ser contada de modo a enfatizar estas vantagens.

O terceiro nível é quando, para além de percebermos o nosso próprio modelo de negócio, conseguimos entender e estudar os modelos alheios, sobretudo de empresas que têm sucesso. Conseguindo identificar os padrões dos diversos modelos, pode trazê-los para o seu negócio.

O quarto nível tem a ver com testar as diversas hipóteses que o empreendedor coloca acerca do seu projecto. Ao longo do tempo, e enquanto desenvolve o negócio, pode voltar ao seu Canvas e actualizá-lo. Suponhamos que experimenta por exemplo um novo canal, e ao fim de algum tempo chega à conclusão de que este não funciona. Deve actualizar o Canvas, mantendo-o como um relatório actualizado das experiências e verificando os seus efeitos na ‘big picture’.

A AppnDepois do sucesso do livro, os autores do Business Model Canvas desenvolveram a Business Model Toolbox. A grande vantagem da aplicação é que permite inserir facilmente os números relativos ao projecto – por exemplo número estimado de clientes no primeiro ano, margem das vendas, custo de produção – e fazer as contas automaticamente tornando mais fácil e rápido tirar conclusões significativas do tipo ‘só vou cobrir o investimento inicial no terceiro ano’.

Para mais informações, veja um vídeo de apresentação do Canvas Business Model, experimente a aplicação ou faça o curso online.

(Atualizado em 2/1/2017)

COMPARTILHAR
Artigo anteriorComeço de um novo ano. Are you Ready?
Próximo artigoA imagem profissional masculina
Patrícia Protásio
Sou consultora editorial, copywriter e empreendedora na área da saúde. Acredito que estamos sempre a tempo de mudar de vida e que o empreendedorismo revela o que há de melhor em cada ser humano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

1 × four =