O que é uma startup?

Saiba o que caracteriza uma startup
Foto: Pixabay

Muitas pessoas, quando começam a empreender, costumam dizer: “eu tenho uma startup” ou “o meu negócio é uma startup”, para sublinhar que ainda estão a começar e o futuro da sua empresa ainda não está bem firme. Se é certo que uma startup é uma empresa jovem, também é verdade que nem todas as empresas em fase de inicialização são startups.

O termo startup (ou start-up) começou a ser usado logo após a Segunda Guerra Mundial, mas foi com o aparecimento das primeiras empresas de capital de risco que a expressão se vulgarizou. Hoje é comum associar a ideia de startup a uma “empresa ou negócio novo ou em fase de arranque, geralmente de carácter inovador e ligado à tecnologia”.

Então startup junta a ideia de “começar” (despontar ou nascer) com “subir” (ou crescer). Por outras palavras: procura transmitir a ideia demonstrada num gráfico, da evolução do valor – faturação – de uma empresa com um elevado crescimento logo num estágio inicial. Esse tipo de progresso ficou particularmente associado a empresas tecnológicas, cuja atividade é potenciada pela Internet.

A própria palavra também foi moldada pelo meio digital: começou por se escrever os dois conceitos separados e associados à ideia de negócio (start up business), depois autonomizou-se e ganhou o hífen, porque as duas palavras juntas, por si só, davam origem a uma nova ideia de negócio, para finalmente se agregar numa só palavra por imposição dos hashtags (#startup).

 

Mas afinal o que é uma startup?

Uma startup é mais do que uma empresa, é um estado de espírito, uma visão, apoiada pelo seu fundador e agindo no sentido de criação de uma oportunidade de negócio num mercado inexplorado ou instável. Assim, ela não tem um modelo de negócio fixo, antes explora as possibilidades consoante as oportunidades.

Steve Blank definiu a startup como “uma organização construída para encontrar um modelo de negócios repetível e escalável”. Ou seja, é uma empresa em que um único produto pode ser vendido a todos os clientes e que, simultaneamente pode ter um grande número de clientes sem alterar significativamente os custos de operação.

Outros autores preferem destacar o potencial de inovação — incremental ou disruptiva — e a capacidade para crescer rapidamente, mas todos concordam que a principal característica de uma startup é a incerteza.

Startup é inovação e tecnologiaCom efeito, encontrar um modelo de negócio que seja viável, repetível, escalável e inovador não é nada fácil e tem numerosas incertezas envolvidas, por exemplo: se existem clientes para o produto, se o modelo é realmente lucrativo, ou se é possível executá-lo. É por isso que qualquer startup é um empreendimento de alto risco – e é muito mais seguro abrir um restaurante, por exemplo.

Claro que um restaurante não é uma startup, ainda que o seu chef cozinheiro seja muito criativo, o serviço que disponibiliza seja inovador ou tenha um ambiente disruptivo relativamente à tradição da concorrência. Um restaurante (como uma cafetaria, padaria ou salão de cabeleireiro) é um modelo de negócio bem definido e amplamente testado. No essencial, compra produtos, transforma-os em novas unidades de venda e fornece-os aos clientes.

Claro que, se em vez de um restaurante, abrisse uma plataforma de restaurantes que permitisse a reserva de mesa e o pagamento da refeição através de uma aplicação de telemóvel (à semelhança da Uber ou Airbnb), então sim, teria uma startup.

Ao contrário dos negócios tradicionais, numa startup não sabemos se o que estamos a desenvolver é viável e funciona. E, mesmo existindo atualmente plataformas do género, talvez não tivesse muitas certezas sobre o modelo de negócios naquele caso específico.

O segundo diferencial é que um restaurante não é repetível, isto é, não consegue vender a mesma refeição para vários clientes. Para cada cliente, precisa comprar ingredientes, ter alguém para os preparar e levar à mesa, etc.. Já para a aplicação só precisa desenvolver o código, colocá-la online e esperar pela adesão de clientes e fornecedores.

Se para fazer crescer o negócio do seu restaurante, terá de pensar em abrir uma nova loja e contratar mais pessoas, numa startup o crescimento resulta da característica de ser repetível e da capacidade e atrair pela inovação e, consequentemente, pela ausência de concorrência.

O que é preciso para ser uma startup?

Como vimos, fica claro que uma startup deve ter pelo menos as seguintes condições:

1) Apresentar um novo conceito no mercado, em que o risco é difícil de avaliar;
2) Utilizar uma nova tecnologia;
3) Ter um forte potencial de crescimento;
4) Ser escalável.

Ainda que sejam conhecidas por “empresas de garagem”, as startups quando entram na fase de pré-comercialização requerem, quase sempre, um forte investimento inicial, para impulsionar o projeto. Esta captação de recursos também difere das empresas tradicionais, uma vez que o valor investido pode facilmente chegar aos milhões, e o retorno para os investidores pode incrementar o lucro em curto prazo… ou levar à perda total, porque muitas startups ficam pelo caminho ou, na melhor das hipóteses, são absorvidas pelos negócios tradicionais.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

four × five =