Se quer abrir um negócio local evite estes 10 erros

Erros a evitar quando cria um negócio local
Foto: Pixabay

Quem nunca pensou em deixar o seu emprego e aventurar-se num negócio próprio?

Ter a liberdade de mandar na sua vida, ter os seus horários, não ter um chefe para prestar contas… Era fantástico, não era?

Tudo isso é muito bonito na teoria, mas na prática é outra conversa. Se quer abrir um negócio local, seja ele um café, restaurante, lavandaria ou outro, deverá ter a noção que aqui não há espaço para tentativas, ou está mentalizado que tem de fazer tudo para dar certo, ou então irá morrer na praia como a maioria das pessoas que tentaram antes de si!

Segundo um estudo da Informa D&B, uma em cada três empresas fecham mesmo antes de completar um ano de actividade e apenas um terço delas sobrevivem após sete anos. A principal razão para esta taxa de mortalidade ser tão elevada é o facto de a esmagadora maioria das pessoas não estarem minimamente preparadas para abrir ou gerir o seu próprio negócio.

Neste artigo vou partilhar consigo os dez erros mais comuns que identifico com frequência no mundo dos negócios locais. Quero que poupe tempo e dinheiro e possa aprender com os erros que outros já cometeram no passado, de forma a aumentar substancialmente as suas probabilidades de ter sucesso no seu negócio.

 

Erro Nº1: Não saber o que é frugalidade e parcimónia.

Quando se encontra na fase de abrir o seu negócio deve ter a noção que as probabilidades de ter sucesso estão contra si, e que dois terços das pessoas que tentaram perderam todo o dinheiro que investiram no seu negócio.

É fundamental que seja frugal e parcimonioso pois de outra forma não vai dar! Precisa de ser muito claro e preciso quanto ao valor máximo que está disposto a investir no seu negócio e de preferência que essa decisão não comprometa a sua vida privada.

Não deve gastar um cêntimo a mais em algo que não seja estritamente necessário. Deve evitar ao máximo quaisquer custos supérfluos assim como negociar agressivamente todos os contratos com os seus fornecedores, senhorios, bancos, entre outros. Por fim, não misture o dinheiro do seu negócio com o dinheiro da sua vida privada.

 

Erro Nº2: Pesquisa insuficiente acerca do negócio

Você deverá saber tudo o que há a saber acerca do seu negócio. Quem são os seus concorrentes diretos, que produtos vendem, que preços praticam, quais os melhores fornecedores, quais os produtos que lhe podem dar mais margem, entre outros.

Deverá procurar por casos de sucesso de negócios similares ao seu, estudá-los ao pormenor e aplicar a mesma receita. Não perca tempo a inventar a roda se ela já existe.

Pode também fazer algumas entrevistas junto de pessoas que estão envolvidas no mesmo ramo de negócio para lhe darem algumas dicas preciosas.

 

Erro Nº3: Falta de aptidão para o negócio

Jamais deverá começar qualquer negócio apenas com o dinheiro como motivação. Se não tiver o mínimo de aptidão para o negócio que vai abrir, nos momentos mais difíceis “a corda vai partir” porque você não tem a paixão necessária que lhe permitirá ultrapassar as dificuldades.

Faça algo que o apaixone, que lhe faça saltar da cama de manhã, seja o melhor a fazê-lo e o dinheiro acabará por vir como consequência.

Mercado electrônico
Foto: Pixabay

Erro Nº4: Não dominar as contas básicas do negócio

Imagine que quer abrir um café, deverá saber quanto custa e quanto ganha em qualquer um dos produtos que irá vender. O primeiro passo é apurar toda a cadeia de custos dos seus produtos.

Por exemplo, se você tem um menu composto por uma sanduiche e uma cerveja a determinado preço, deverá saber ao cêntimo qual o preço relativo à quantidade de carne que vai utilizar, do pão, da manteiga, do alho, do consumo da placa elétrica, dos gastos de conservação, do tempo de preparação, do prato e copo que vai ter de lavar, dos guardanapos que vai gastar, etc, etc, etc.

As pessoas que não fazem estas contas podem correr o risco de estar a trabalhar para perder dinheiro no seu negócio sem ter sequer a noção disso! Dominar estas contas de “merceeiro” são fundamentais para garantir que sabe “às quantas anda” e saber quanto lucro tem de fazer por dia para pagar as suas despesas e receber o seu ordenado.

Só após saber a sua cadeia de custos é que pode formular quais os preços de venda com base nas margens que decidiu aplicar a cada produto. Com uma gestão deste tipo terá o conhecimento global acerca do seu negócio e muito facilmente saberá ao final do dia se ganhou ou não dinheiro.

 

Erro Nº5: Não ter um bom contabilista

Ter um bom contabilista é mais importante para o seu negócio do que imagina. Deverá contratar um contabilista exigente, experiente e rigoroso, pois desta forma ele o obrigará a ser como ele, evitará que se atrase na entrega e pagamento de impostos e consequentemente poupará em chatices e dinheiro.

 

Erro Nº6: Querer vender tudo a todos

Se vai abrir um novo negócio deverá saber logo à partida que tem de se especializar em alguma coisa que o torne diferenciador face à sua concorrência. Deverá pensar num nicho, produto ou necessidade específica que satisfaça o grupo de clientes que pretende atrair.

Querer vender tudo a todos é um dos erros mais comuns e um dos grandes responsáveis pela alta taxa de mortalidade das empresas. Eu quando quero comer um bom croissant penso logo numa pasteleira especialista em croissants, se quero um fantástico cozido à portuguesa penso logo em dois ou três restaurantes possíveis. Em suma, ninguém se irá lembrar de si se não for especializado em alguma coisa.

Erro Nº7: Escolha do nome do negócio

Ter um nome distinto, fácil de escrever e transmitir oralmente é como começar um jogo de futebol a ganhar cinco a zero face à concorrência.

Vamos imaginar que quer abrir um café, que nome é que lhe dava? Como é que os seus clientes o poderiam encontrar entre os milhares de cafés que existem?

Facilite a vida aos seus potenciais clientes e escolha um nome que seja facilmente identificável, distinto e que rapidamente qualquer pessoa o encontre quando alguém lhe falar, por exemplo, nas melhores bifanas da sua cidade.

O seu negócio é a sua identidade deverá sempre que possível utilizar um nome escolhido por si, a não ser que o nome do espaço que ocupou seja estratégico ou com muito boa reputação.

Loja
Foto: Pixabay

Erro Nº8: Localização do negócio

Para um negócio local ter sucesso é vital ter uma boa localização, comodidade e conveniência.

Ter sucesso numa localização menos boa não é impossível mas demora muito mais tempo. Deverá estabelecer-se numa localização o mais perto possível dos seus clientes alvo.

É importante perceber o que há à volta da localização pretendida e em que medida isso pode ou não ajudar no seu negócio. Para além da localização também é fundamental ter umas instalações confortáveis e acolhedoras assim como zonas de estacionamento perto e fácil acesso à sua loja.

 

Erro Nº9: A internet é só para ir ao Facebook

Apesar de ser recomendado, não é obrigatório ter um site ou criar contas em todas as redes sociais para estar presente de forma eficaz na internet.

Para começar, pode criar uma conta no Google My Business e referenciar o seu negócio para mais facilmente ser localizado no motor de busca mais utilizado no mundo. Desta forma sempre que alguém procurar pelo nome do seu negócio no Google pode encontrar os seus contactos, a direção via GPS, para além de conseguir ver o seu espaço e avaliar os seus produtos ou serviços.

Se o seu negócio se encontra numa zona turística considere também aderir ao TripAdvisor e dar 10% de desconto aos clientes que fizerem uma review nesse site. Desta forma irá destacar-se junto de turistas que nos visitam e que vão querer visitá-lo.

 

Erro Nº10: Não ter uma estratégia de vendas definida

Já ouviu falar do quadro da Mona Lisa? O que seria da Mona Lisa se estivesse sido guardada numa gaveta para sempre? Se você vende o melhor bolo de noz da cidade mas não consegue dizer isso a ninguém, o que acha que vai acontecer ao seu negócio?

Estabeleça uma estratégia de marketing e vendas eficaz, frugal e direta. Sempre que um cliente chega ao seu estabelecimento trate-o com cortesia e proponha-lhe os seus melhores produtos com um sorriso nos lábios.

Deverá ter vários call to action que despertem a atenção e consumo do cliente, por exemplo, promoções, menus, happy hours, especialidade da casa, entre outros.

Se vende muitos cafés pela manhã e gostaria também de vender mais bolos, comece por propor ao cliente acompanhar o café com seu fantástico bolo de noz, o melhor da cidade. Crie uma legião de fãs em torno de um produto ou serviço que você vende e sabe que é muito bom!

Deixo-lhe aqui um exemplo de uma estratégia simples de venda (up-selling) que pode aplicar no dia-a-dia:

Cliente: “Bom dia, quero um café.”

Você: “Muito bom dia, já experimentou acompanhar o seu café com o melhor bolo de noz da cidade? É delicioso! Quer experimentar? Se não gostar, não paga!”

No fim da venda peça-lhe para avaliar o seu bolo de noz na internet e desta forma garantirá que aquela venda que fez lhe possa trazer muitas mais, para além de mais reputação e um maior retorno.

 

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorITSector abre mais de 50 vagas na área tecnológica
Próximo artigoESA financia projetos inspirados no Espaço
Nuno Silva
Formou-se em Sistemas e Tecnologias de Informação é um empreendedor em série e especialista em negócios online. Criou a sua primeira empresa aos 18 anos, colaborou com empresas de topo no sector das tecnologias e fundou um dos primeiros e-marketplaces de serviços locais em Portugal, o PedirOrcamentos.Com. É fundador e co-fundador de diversos negócios com forte presença na internet. É um motivador empresarial, orador em eventos de empreendedorismo, mentor de startups e autor de diversas publicações ligadas ao Empreendedorismo, Desenvolvimento de Competências e Marketing Digital.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

nine + 9 =