5 estratégias de gestão de tempo para empreendedores criativos

Qualquer empreendedor, numa ou outra fase da sua vida, se reconhece neste comportamento. A falta de foco e de gestão do tempo pode ser fatal para qualquer projeto. Ficam aqui algumas estratégias:

1 – Priorizar trabalho que é importante mas não urgente

Covey na sua obra ‘The Seven Habits of Highly Effective People’ refere que muitos de nós perdemos tempo com tarefas urgentes e importantes. Por outras palavras: resolvemos emergências adiando a resolução dos problemas, e perdemos tempo respondendo às demandas dos outros rapidamente. Para Covey, a solução passa por priorizar o trabalho que é importante e não urgente. Ter em conta as tarefas que realmente contribuem para os seus sonhos e objetivos, em vez de apenas responder ao que lhe vai surgindo ou que lhe solicitam.

As atividades urgentes requerem a nossa atenção imediata e costumam ser-nos impostas. Já as importantes estão relacionadas com resultados e contribuem para alguma missão, valor ou meta prioritária.

Pare e questione-se: como se sentiria no final do dia, se tivesse trabalhado e avançado nos seus objetivos? Como se sente no final de um dia em que só tratou de emergências? Como seria diferente a sua vida se se dedicasse mais ao que é verdadeiramente importante do que ao urgente?

2 – Descubra o seu momento do dia mais produtivo

É essencial para ser mais produtivo, descobrir o momento do dia em que está mais energético e focado. E estando nesse momento, crie o seu espaço pessoal (local, espaço, ferramentas) para promover o estado da mente ideal para trabalhar.

3 – Evite o efeito de Sísifo das listas de tarefas

O mito de Sísifo fala do personagem da mitologia grega, condenado a repetir sempre a mesma tarefa, empurrando uma pedra até o topo de uma montanha. Sempre que estava quase a alcançar o topo, a pedra rolava novamente pela montanha abaixo, até o ponto de partida, invalidando completamente o duro esforço despendido. Reconhece-se neste padrão? Este efeito vem das intermináveis listas de tarefas, criada e alimentada pelas exigências ao seu redor. Escrevemos longas listas de tarefas que não são realizadas devido a distrações e imprevistos. No fim do dia, resta-nos um sentimento de improdutividade e desmotivação. Avalie: que efeitos têm as suas tarefas no seu projeto e objetivos? Reconhece que esses efeitos estão presentes na sua vida? O que faz aos seus níveis de motivação? Que diferença faria se não fosse escravo da sua lista de tarefas?

4 – Deixe para amanhã

O autor Mark Forster, com o seu método DIT (Do It Tomorow), propõe acabar com o sentimento de incapacidade face às intermináveis listas de tarefas através do uso de Listas Fechadas – que não estariam sujeitas às distrações do dia-a-dia. Criamos uma lista de ações e fechamo-la com uma linha no fim. Todas as tarefas que estiverem acima da lista devem ser concluídas até o dia seguinte. Sempre que uma nova atividade não prevista surgir, devemos listá-la abaixo da linha.

5 – Limpe a sua mente

A nossa ansiedade cresce à medida que as tarefas, os objetivos e a papelada crescem à nossa volta. E, com tanta coisa na nossa mente, pensamos que nos estamos a esquecer de algo e que as coisas saem do nosso controlo. O princípio básico da Metodologia GTD de David Allen é ‘esvaziar a mente’ e mantê-la tranquila como a água. Um telefonema que devemos fazer, algo que temos de comprar, as férias para planear, a torneira que pinga que temos de arranjar, as ideias que nos vêm à cabeça. Tudo fica a fervilhar na nossa mente e a nossa produtividade reduz. Escreva tudo o que sonha, projeta e precisa fazer num sistema simples de anotações que não seja na sua cabeça.

O tempo é um bem precioso que ao se perder, não se recupera. Gerir o tempo é mais do que dinheiro: é ter mais tempo para a sua própria vida. Por isso, controle o mundano da sua vida, para criar o extraordinário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

three × four =