7 tendências tecnológicas para seguir em 2022

Imagem de akitada31 por Pixabay

Sistemas de segurança mais simples e de confiança, e gestão de equipas em teletrabalho estão entre as tendências tecnológicas para 2022.

Uma pesquisa realizada pela OutSystems, empresa portuguesa líder do mercado de plataformas para o desenvolvimento rápido de aplicações, apresenta as sete tendências que vão marcar o panorama tecnológico do desenvolvimento de software ao longo deste ano.

Esta análise resulta da pesquisa realizada pela OutSystems para o desenvolvimento da sua mais recente plataforma, lançada há cerca de um mês, que permite a criação de aplicações de última geração na cloud.

Assim, as principais tendências identificadas são:

1 | As empresas vão adotar plataformas de desenvolvimento para aumentarem a produtividade do programador

Com os gigantes tecnológicos a vencerem a corrida pelos escassos talentos de desenvolvimento, as empresas fora da elite tecnológica vão adotar novas formas de permanecerem inovadoras e competitivas com as suas próprias equipas.

Torna-se mais evidente que as empresas precisam da tecnologia certa para que as suas equipas de desenvolvimento se concentrem na criatividade e na inovação, em vez dos aspetos do desenvolvimento de software menos entusiasmantes. Isto inclui a tecnologia que lida com as tarefas críticas mas indiferenciadas de desenvolvimento, e que atualiza constantemente com as tecnologias cloud mais recentes.

Também dimensiona automaticamente e aproveita containers e Kubernetes para garantir que as equipas de desenvolvimento forneçam arquiteturas de aplicações excelentes, se movam rapidamente para dar resposta às necessidades de negócios em constante mudança, com baixo risco. Tudo isto ao mesmo tempo que se mantêm livres do trabalho de manutenção desnecessário e de dívida técnica.

Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

2 | Os programadores exigem uma experiência de segurança mais simples e de confiança

Embora a maioria dos programadores de software não sejam especialistas em segurança, estão sob uma pressão crescente para criarem programas livres de vulnerabilidades – especialmente à luz dos ataques de ransomware high profile de 2021. Essa pressão elevada pode atrasar consideravelmente o processo de desenvolvimento e inibir a capacidade de escreverem programas criativos e inovadores à medida que as empresas procuram a garantia de que o desenvolvimento de software personalizado forneça níveis semelhantes de segurança e conformidade como o SaaS.

Como resultado, os programadores irão exigir ferramentas de desenvolvimento de confiança, ​​para serem constantemente protegidas contra vulnerabilidades, e plataformas de desenvolvimento que forneçam segurança projetada dentro do stack de tecnologia de aplicações e se adaptem à medida que os negócios e as tecnologias evoluem.

3 | Maior foco em iniciativas de Diversidade, Igualdade e Inclusão para programadores talentosos

As organizações, especialmente em tecnologia, têm vindo a abordar o tema da diversidade há vários anos, com variados graus de sucesso. Em 2022, os decisores de TI serão responsáveis ​​por dar resposta às metas de diversidade, igualdade e inclusão no que diz respeito ao talento do profissional.

Enquanto os programadores estão a resolver alguns dos problemas mais complexos do mundo, as empresas devem analisar os processos de contratação para melhorar o recrutamento de diversos candidatos em TI.

No caso da OutSystems, esta tem apoiado o crescimento de programadores de diversas comunidades em campos de desenvolvimento de software, em conjunto com organizações como a Women Who Code, a Blacks in Technology Foundation e a Australian Computer Society.

Imagem de Olalekan Oladipupo por Pixabay

4 | A maior procura por DevSecOps aumenta a adoção de plataformas de desenvolvimento de aplicações

A principal preocupação dos executivos que lideram as equipas de TI e engenharia de software continuará a ser se a segurança da sua organização é capaz de resistir ao aumento explosivo do risco de negócios. Entre um aumento nos ataques de ransomware, a falta de limites claros para os dados organizacionais e o aumento do risco com o desenvolvimento colaborativo dos cidadãos, a privacidade dos dados e os requisitos regulamentares estão mais ameaçados do que nunca.

Os CISOs e CIOs estão gradualmente a preferir criar novas experiências digitais baseadas em plataformas que fazem sistematicamente a gestão de todos os estágios de desenvolvimento e entrega de aplicações para cada nova aplicação, em vez de depender da natureza não sistemática de diferentes equipas com diferente maturidade de desenvolvimento de software seguro.

5 | Maior utilização de DesignOps e Observabilidade para aplicações bastante adotadas

O ano de 2022 será a primeira vez que os orçamentos de TI e de desenvolvimento de aplicações refletirão a mentalidade do trabalho híbrido, na medida em que a experiência do colaborador e do parceiro se tornaram tão críticas quanto a experiência do cliente para utilização aprofundada das aplicações criadas para ganhar agilidade de negócios.

Com novas ferramentas que permitem uma integração mais profunda entre design thinking e desenvolvimento front end, existem novos manuais de DesignOps para aumentar a adoção. Combinado com a nova capacidade de observação do comportamento do utilizador final e com apoio em padrões abertos como a Open Telemetry, mais equipas de produto digitais irão procurar níveis de adoção do utilizador que eram historicamente difíceis de alcançar.

6 | Gerir equipas de desenvolvimento distribuídas com plataformas modernas

Uma nova realidade para a maioria das equipas de engenharia de software a saírem da pandemia no âmbito de um aumento demissões é que os seus programadores de software estão cada vez mais a operar em organizações mais distribuídas, a contornar muitos dos controlos que costumavam existir. Trata-se de algo que dificulta o onboard, formação, monitorização e até audição da qualidade e o desempenho das equipas e dos indivíduos.

Os líderes de engenharia de software enfrentam desafios para garantir a segurança, a conformidade e a gestão de pessoas que muitas vezes as suas equipas nunca encontraram pessoalmente. As organizações, gestores e até mesmo colegas em CI / CD irão preferir operar sobre plataformas que aumentam a sua capacidade para monitorizar de perto todo o ciclo de vida de desenvolvimento, desde o trabalho que está a ser feito até a segurança ser aplicada.

Dado que muitos desses recursos estão disponíveis para utilização em plataformas de desenvolvimento de aplicações modernas, a sua adoção irá expandir-se em comparação com o desenvolvimento convencional com base em conjuntos de ferramentas de desenvolvimento compartimentadas, muitas vezes com base em ferramentas de código aberto desconectadas que carecem de uma abordagem de gestão holística.

Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

7 | Utilização mais profunda da arquitetura cloud-native para sistemas empresariais personalizados

O balanço “construir vs comprar” está novamente a voltar de “deixe os utilizadores comprarem qualquer SaaS que quiserem” porque a expansão do SaaS não está apenas a roubar os orçamentos de negócios originais, mas também a tornar-se numa outra forma de dívida técnica: um obstáculo na integração necessária entre centenas de sistemas.

Para recuperar a agilidade dos negócios com sistemas empresariais adequadas utilizados ​​entre colaboradores, parceiros e clientes, será necessário um novo tipo de desenvolvimento de aplicação cloud-native – um que seja altamente distribuído, escalável e que permita a criação de aplicações empresariais personalizadas e resilientes que aumentem a agilidade da organização.

O número dos serviços de cloud computing, disponibilizados pelos grandes fornecedores de cloud, subiu de 20 que existiam há cerca de 5 anos, para quase 250 serviços inovadores e de Web, através de um único fornecedor de IaaS nos dias de hoje. Paradoxalmente, esta oferta diversificada está a tornar-se numa grande distração para programadores de negócios regulares que criam aplicações cloud.

Para ultrapassar esses desafios, será fundamental, para as plataformas de desenvolvimento cloud-native e IDEs baseados em navegador, que permitam que as suas equipas permaneçam focadas na gestão do fluxo de valor dos seus produtos digitais, em vez de esgotarem o seu talento de engenharia apenas na gestão de infraestrutura.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

4 × four =