Esqueça os bancos e as venture capital para financiar a sua startup. Existem outras alternativas.

Esqueça os bancos e o venture capital, faça você o seu sucesso.

Não deixe de concretizar a sua ideia de negócio só porque os bancos ou as venture capital onde bateu à porta não quiseram financiar o seu negócio. Assuma você o risco, se têm a certeza que se trata de um negócio de sucesso avance sem andar a pedinchar e a pedir a misericórdia a quem não percebe o quão rico iria ficar se tivesse investido no seu negócio. O que não falta por aí são exemplos de pessoas como você que viram o seu negócio ser rejeitado por bancos e investidores ‘quadrados’ e provaram que mesmo sem ajuda dessas entidades o seu negócio prosperou e tornou-se milionário. Existem atualmente investidores de todo o mundo, fora do círculo tradicional, que o irão ajudar e financiar o seu projeto. Caso isso não aconteça então é provável que o seu negócio seja medíocre e aí o problema é seu. (Sugiro a leitura do artigo ‘Saiba se deve ou não avançar com a sua ideia de negócio! Submeta-a à máquina da verdade!).

Sabia que pode apresentar a sua startup a vários investidores de todo o mundo e que a probabilidade de acreditarem no seu negócio e investirem nele é enorme? Um investidor a sério sabe que em média 1 em 10 negócios vai ter sucesso e que esse negócio vencedor pode render até ao infinito do investimento total nas 10 startups que o investidor financiou. É por isso que investir em startups é um bom negócio!

Já ouviu falar nas plataformas de crownfunding de startups?

A Seedrs (uso esta como exemplo mas existem mais) é uma excelente plataforma de crowdfunding de startups onde pode submeter a sua ideia de negócio junto de um significativo número de investidores de todo o mundo que vão saber que o seu negócio existe. Nestes negócios você decide qual a percentagem que está disponível para prescindir do seu negócio em troca de investimento, o funcionamento é parecido com o do Shark Tank. Não se esqueça que tem de dar para receber, não há almoços grátis e estes investidores metem dinheiro no seu negócio para ganhar mais dinheiro e não porque gostam de si. Eles sabem que investir em si é muito mais lucrativo do que investir em depósitos a prazo, obrigações ou outros investimentos tradicionais. A Seedrs cobra às empresas uma comissão sobre o capital angariado na plataforma.

Ao submeter o seu negócio na Seedrs o mesmo será analisado por especialistas da área que decidirão se o seu negócio pode ou não ser inserido na plataforma deles. Outra vantagem muito interessante é que a própria Seedrs trata de toda a parte legal da participação, ou seja, não precisa de se preocupar em contratar um especialista nessa área.

Existem também outras alternativas promovidas pela Comissão Europeia para financiar a sua startup como o SME Instrument. Segundo o Gabinete de Promoção do Programa Quadro I&DT (GPPQ), o SME Instrument dá resposta às necessidades de financiamento de PME orientadas para a internacionalização e, particularmente, aos jovens empreendedores na implementação de ideias de potencial e risco elevado. Destina-se a apoiar projetos de dimensão europeia que conduzam a mudanças radicais na forma como os negócios são feitos (produtos, processos, serviços, marketing, etc.). Irá lançar as empresas em novos mercados, promover o crescimento e criar elevado retorno do investimento. O SME Instrument abrange todo o tipo de PME inovadoras de modo a promover campeões do crescimento em todos os setores.

Este instrumento é composto por 3 fases distintas mas interligadas e com um esquema de coaching e mentoring para os beneficiários, não existindo por isso obrigação das PME candidatarem-se sequencialmente às 3 fases.

Fase 1: Viabilidade tecnológica, técnica e económica;

Fase 2: Projeto de inovação;

Fase 3: Comercialização.

As PME são convidadas a submeter propostas a este instrumento em qualquer altura em qualquer área dos desafios sociais e das tecnologias facilitadoras e industriais do Horizonte 2020.

Nos Estados Unidos o capital de risco é bem mais diversificado e ‘open minded’ que em Portugal. Ora vejamos o caso da Google. A Google quando foi à procura de capital não gerava qualquer retorno de investimento, zero, não dava dinheiro. Tão pouco existia um modelo de negócio fechado para a rentabilizar. No entanto, recebeu milhões de dólares de investimento de risco e entregou biliões de dólares de retorno a quem investiu neles na fase ‘early stage’. Assim como a Google existem outros exemplos similares como o Facebook, Linkedin, Twitter que captaram largos milhões de dólares junto de investidores sem ter dado 1 dólar de lucro durante anos. Em Portugal lançar uma ‘Google’ com o nível de pensamento de quem está à frente das venture capital teria sido impossível.

Frequentemente comparo a falta de visão das venture capital com os elefantes tailandeses. Os elefantes tailandeses estão presos apenas por uma corda atada a uma estaca de madeira espetada no chão, se o elefante soubesse qual a sua verdadeira força facilmente se libertaria da estaca de madeira e ganharia a sua liberdade, mas como não sabe, continuará ali preso até ao fim dos seus dias. O que quero dizer com esta história é que muitas venture capital portuguesas não veem para além da estaca de madeira que está à sua frente, e essa é uma das razões porque ainda não surgiu nenhuma startup financiada por capitais portugueses no ‘The Billion Dollar Startup Club’.

Se tem uma ideia de negócio vencedora e as venture capital nem sequer resposta lhe dão, procure alguém com experiência de negócio capaz de dizer-lhe com verdade e honestidade se é ou não uma boa ideia, se pode ser financiada e como pode ter sucesso. Sobretudo, não desista ao primeiro não.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorANJE procura novas ideias
Próximo artigoEmpreendedor.com com 50 mil votos de confiança. Muito Obrigado!
Nuno M. Silva
Nuno M. Silva, formou-se em Sistemas e Tecnologias de Informação é um empreendedor em série e autor do livro Torna-te um fora de série!. Criou a sua primeira empresa aos 18 anos, colaborou com empresas de topo no sector das tecnologias e fundou um dos primeiros e-marketplaces de serviços locais em Portugal, o PedirOrcamentos.Com.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

15 − six =