Observatório de Liderança apresenta Desafios de Gestão para 2021

Imagem de Kangyi Zhang por Pixabay

O relatório “Desafios paradoxais de gestão” analisou as tensões que os líderes atuais enfrentam no seu dia-a-dia, seja nos negócios e sociedade, gestão de talentos, digital ou equilíbrio entre vida profissional e pessoal.

Produzido pelo Observatório de Liderança da Nova SBE, em parceria com Fundação Haddad, o relatório explora os desafios que 25 reconhecidos líderes a trabalhar em Portugal encaram e como procuram navegar estes desafios. Na análise aos desafios de negócios e sociedade os investigadores procuraram compreender como estes líderes lidam com a mudança.

“As empresas são hoje confrontadas com os desafios cada vez maiores de um ecossistema progressivamente mais complexo, onde várias partes interessadas lutam pelo seu tempo e recursos. O stress ou o desconforto sentido quando os líderes precisam de fazer escolhas que permitem que as suas organizações avancem e cresçam, são neste relatório interpretadas como tensões organizacionais inescapáveis na atividade de qualquer gestor ou líder”, sublinha-se no comunicado enviado à imprensa.

Ficou patente nas entrevistas que a mudança é encarada pelos gestores de forma positiva e produtiva, e não como uma ameaça, verificando-se a crescente necessidade de integrar e aliar o sucesso dos seus negócios com o progresso da sociedade, nomeadamente no que se refere à consciência ambiental e social. 96% dos entrevistados manifestaram-se sensibilizados e preocupados com as alterações climáticas causadas por ação humana.

Ao nível da diversidade nas suas empresas, 72% dos líderes entrevistados acreditam já fomentar grande diversidade nas suas equipas. Já na gestão de talentos, verifica-se que os líderes dão importância ao investimento na educação, com 96% dos inquiridos a indicar que continuam a investir na sua educação. As habilidades e características de liderança valorizadas nos recrutamentos para posições de liderança destacam sobretudo a adaptabilidade, ética, responsabilidade, curiosidade, capacidade de trabalho em equipa e visão estratégica.

Quando questionados sobre as razões por detrás do seu sucesso destacam como valências importantes a resiliência, persistência, curiosidade e o facto de se dedicarem arduamente ao que fazem. Dos entrevistados apenas 24% considera que as competências de liderança não podem ser aprendidas, embora 52% considere ter nascido já com perfil de líder.

Numa era de transformação digital os investigadores procuraram analisar como a tecnologia está a mudar o panorama das organizações e explorar como os líderes estão a utilizar essa mudança para seu benefício, mesmo enfrentando grandes dificuldades. Alguns desafios identificados são, por exemplo, a lentidão de processos que, paradoxalmente, visam tornar as organizações mais ágeis, ou as tensões sentidas na transformação de processos analógicos para o digital. Ainda assim, 92% dos líderes considera-se digitalmente capaz e atualizado quanto a ferramentas tecnológicas para as necessidades do seu trabalho.

Quando inquiridos sobre o papel da Inteligência Artificial e Automação na substituição de funções de gestão, 84% dos entrevistados estão confiantes que essas tecnologias irão sobretudo facilitar as tarefas e não substituí-las.

Na análise dos desafios associados ao equilíbrio entre vida pessoal e profissional, a abordagem focou-se nos mecanismos emocionais que lhes permitem (ou não) encontrar este balanço. 84% dos líderes entrevistados no estudo acredita ter encontrado um bom equilíbrio entre a vida pessoal e profissional. Saber delegar é um dos mecanismos referidos, sendo que esta é uma das formas utilizadas pelos líderes para manter controlo sobre a organização. Ainda assim, do universo dos 25 líderes inquiridos, 48% assume que os seus dias nunca correm como planeado e vários entrevistados assumem interpretar o seu trabalho como um hobby.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

five × three =