Bandora Revoluciona Gestão Energética em Smart Buildings em Portugal

Na foto: Márcia Pereira, CEO da Bandora

A startup portuguesa Bandora está na vanguarda da transformação digital e energética de edifícios, visando revolucionar a gestão energética em smart buildings através da inteligência artificial (AI). Fundada em 2017 por Márcia Pereira, a Bandora tem como missão tornar os edifícios mais autónomos, confortáveis, eficientes e sustentáveis.

Para o ano de 2024, a Bandora tem ambições significativas, pretendendo aumentar a sua faturação em 10 vezes, com o objetivo de atingir 300 edifícios até ao final do ano. Este crescimento exponencial exige uma expansão das equipas em várias áreas, desde técnicas até especialistas em Marketing.

Márcia Pereira, CEO da Bandora, destaca o impacto positivo da empresa no setor da gestão energética em smart buildings, reiterando o compromisso com soluções inovadoras que impulsionem a eficiência e a sustentabilidade. A empresa planeia continuar a liderar esta revolução energética, expandindo o seu alcance para beneficiar ainda mais clientes globalmente.

Com soluções personalizadas para diversos tipos de edifícios e um foco principal no mercado B2B, a Bandora concentra-se em resolver problemas onde são mais acentuados, como em edifícios comerciais, cadeias de fast food e hotéis. Até ao momento, já otimizou 16.500 m2, conseguindo uma poupança máxima de 70% no consumo de energia do ar condicionado.

A Bandora distingue-se no mercado através da sua combinação única de tecnologias de AI, simulação tridimensional de edifícios e expertise em Conforto Térmico. Além disso, o seu modelo de negócio flexível “saving as a service” permite partilhar 50% da poupança de energia obtida com o cliente.

Na foto: Equipa da Bandora

Financiada inicialmente em fevereiro de 2020 através do Portugal 2020, a Bandora também recebeu investimento público significativo no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). Com planos de expansão internacional já em curso, incluindo nos mercados espanhol e brasileiro, a empresa está também a fazer provas de conceito nos Emirados Árabes Unidos.

Com uma visão ambiciosa, Márcia Pereira pretende tornar a Bandora líder em soluções de otimização energética para smart buildings, com objetivos claros de impacto ambiental, visando atingir 1500 edifícios até 2026 e uma poupança mínima de 200 GWh de energia – equivalente à capacidade de captura de CO2 de meio milhão de árvores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

9 − one =