Cidades do Futuro em debate na Gulbenkian

A conferência ‘Cidades do Futuro – Conhecimento e Clusters’, promovida pela Fundação Calouste Gulbenkian e pela Câmara Municipal de Lisboa, decorre no dia 26 na sede da fundação e vai debater o papel de Lisboa no âmbito da quarta revolução industrial. A iniciativa pretende ser um espaço de debate e reflexão sobre o futuro das cidades na economia global, inserindo-as num contexto de ‘regiões urbanas funcionais’ que englobam múltiplas cidades, variadas atividades e dinâmicas do mercado de trabalho que as ligam entre si.

A conferência reúne peritos e instituições nacionais e internacionais para analisar as forças globais que possam ser decisivas na competitividade, coesão social e sustentabilidade futuras do Arco Metropolitano de Lisboa. Entre os oradores destaque para Annika Brack, diretora Digital Project do World Economic Forum; JF Gauthier, CEO da Startup Genome; Tony Margiotta, diretor da London & Partners e Eytan Schwartz, CEO Tel-Aviv Global and Tourism.

O evento procura estimular o debate público e divulgar as opções e decisões, bem como os impactos dos grandes desafios societais nas características, dinâmicas e processos de transição das cidades portuguesas, que são os motores do desenvolvimento do país.

As cidades – com destaque para os principais espaços metropolitanos – enfrentam importantes desafios nos processos de adaptação e transformação das suas estruturas económicas, políticas e sociais, bem como das expectativas, atitudes e comportamentos dos vários agentes económicos e institucionais em relação aos desafios da globalização.

Promover projetos dirigidos a grupos de cidades ou macrorregiões metropolitanas que, desenvolvendo ações de interação e cooperação a partir de uma visão prospetiva partilhada, possam ganhar uma massa crítica de atratividade e presença estratégica na globalização, deverá ser uma das prioridades dos decisores políticos e empresariais, permitindo, desse modo, assegurar maior crescimento, emprego e coesão social.

Neste contexto, a Fundação Calouste Gulbenkian tem apoiado uma pesquisa aprofundada em torno das duas macrorregiões urbanas onde se localiza a maior concentração de ativos e que podem contribuir para que Portugal retome o crescimento, de forma inteligente, sustentável e inclusiva: a Região do Noroeste, entre Aveiro, Porto e Braga; e o Arco Metropolitano de Lisboa, que abrange Leiria, Évora, Setúbal e até Sines.

É no âmbito desta ultima macrorregião que se integra a LIFT – Lisbon Initiative For The Future cujo lançamento publico será feito na conferência. A Iniciativa LIFT é uma parceria entre a Fundação Calouste Gulbenkian e a Câmara Municipal de Lisboa que se baseia no chamado ‘triângulo do conhecimento’ (ensino, investigação e empresas), e que parte de um conceito territorial novo de região sem existência formal, nem limites geográficos precisos, mas que constitui um sistema cada vez mais interativo e interdependente ao nível das pessoas, localidades, instituições e empresas.

A LIFT ‘Lisbon Initiative for the Future’ ambiciona, assim, a criação de uma cooperação regional que contribua para potenciar as atividades exportadoras do Arco Metropolitano de Lisboa.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorStartUP BIZ abre em julho
Próximo artigoComo funcionam as comunidades de empreendedorismo?
O Empreendedor é um projecto de empreendedorismo colaborativo que pretende desenvolver e testar novas formas de cooperação entre indivíduos e organizações ligadas ao empreendedorismo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

14 + 18 =