Comércio online: Vendas globais cresceram 2% na Black Friday

Foto de CardMapr.nl no Unsplash

As vendas online na Black Friday e Cyber Monday ultrapassaram os 270 mil milhões de euros a nível global. Comparadas com o ano passado, as vendas globais cresceram 2% entre 22 e 28 de novembro. Telemóveis responsáveis por 76% do tráfego e-commerce, e redes sociais são a porta de entrada de 10% dos consumidores.

A Salesforce, empresa tecnológica multinacional líder em Customer Relationship Management (CRM), divulgou os dados relativamente à Cyber Week. O estudo abrangeu dados de compras de mais de 1.500 milhões de consumidores em todo o mundo, com as vendas online em 2022 a atingirem um recorde histórico superior a 270 mil milhões de euros, 2% acima do ano passado.

Os dados demonstram que os padrões digitais estabelecidos durante a pandemia ainda são uma força nesta temporada natalícia, com forte crescimento no início de novembro, impulsionado por consumidores que não foram dissuadidos por preços mais altos e descontos mais baixos. A própria Cyber Week (23 a 29 de novembro) viu um crescimento nas vendas como resultado desses consumidores antecipados.

Apesar de muitos operadores de retalho registarem um menor volume de consumidores nas vendas físicas, as vendas online e o tráfego digital quebram recordes em relação ao ano anterior. As Redes Sociais foram a principal porta de entrada nas lojas digitais (10%) e o mobile foi a plataforma preferida, respondendo por 76% do tráfego.

Já quanto aos descontos, as campanhas tiveram um início discreto, mas as reduções de preço dispararam durante a Cyber Week, com a taxa média de desconto a fixar-se no 27%, a nível mundial, superando os níveis pré-pandemia. Apesar disso, o preço medio de venda (ASP) aumentou 3%, quando comparado com 2021. Os principais descontos, este ano, foram nas categorias de Vestuário Geral (34%); Maquilhagem e Skincare (32%) e Malas de senhora de Luxo (26%).

O estudo da Salesforce destaca ainda o crescimento da modalidade de “Compre Online e Levante na Loja” (BOPIS), que cresceu 9%, salientado que os consumidores não dispensam o contacto físico com a marca, apesar de preferirem claramente a comodidade da compra online e evitarem longas filas. Quanto ao modo de pagamento, aumentou o financiamento “Buy Now Pay Later” (BNPL), porém diminuiu o montante médio das transações que recorreram a esta modalidade de pagamento (-5%), indicando que os consumidores pediram financiamento para compras de menor valor comparativamente a 2021.

“Após descontos sem brilho no início da temporada, as marcas intensificaram a atividade na Cyber Week e os consumidores responderam na mesma moeda. Os nossos dados mostram uma forte correlação entre as taxas de desconto e as vendas online, já que os consumidores esperavam os maiores e melhores negócios”, disse Rob Garf, Vice-Presidente da Salesforce e Diretor Geral de Retalho.

“À medida que entramos na reta final da temporada de natal, as marcas de retalho devem preservar as margens através de uma maior automação para equilibrar a eficiência operacional e a fidelidade do cliente. Serão as marcas de retalho que se apoiam no atendimento em loja, personalização do serviço e agilização das devoluções que serão as vencedoras e terão mais sucesso”, concluiu o responsável.

O Shopping Index é um estudo da Salesforce que analisa as atividades e as estatísticas de compras online de mais de 1,5 mil milhões de consumidores a nível global de mais de 64 países, incluindo Portugal. Estes benchmarks abrangem a história recente e o estado atual do comércio digital.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

9 − three =