Critical TechWorks desenvolve condução autónoma da BMW

Foto de Critical TechWorks

Programadores da Critical TechWorks vão desenvolver software para a condução autónoma de veículos da BMW. A tecnológica portuguesa vai trabalhar a modelagem de espaços, mapeamento de estradas e travagem automática dos futuros carros autónomos da marca alemã. A empresa portuguesa está a contratar programadores C++ para os seus escritórios de Lisboa e Porto.

A Critical TechWorks, empresa conjunta entre o Grupo BMW e a Critical Software que desenvolve tecnologia para os automóveis do futuro, vai iniciar a conceção de projetos na área da condução autónoma, uma das tendências do setor automóvel. Para isso, está a contratar engenheiros com conhecimentos em C++, a linguagem de programação usada no desenvolvimento da tecnologia da nova geração utilizada pelos carros da BMW.

Para tornar a condução cada vez mais autónoma, estão a ser desenvolvidas tecnologias que melhorarão a comunicação entre o veículo, os condutores e as infraestruturas.

A ambição é a de que os automóveis, de forma automática, antecipem e evitem acidentes, adaptando o espaço disponível na estrada para a realização de movimentos em segurança, ou ativando a travagem automática, e realizem tarefas de rotina que, atualmente, têm de ser feitas de forma manual.

Até ao momento, o papel das equipas portuguesas da Critical TechWorks é dar apoio a uma unidade de conhecimento nesta área do Grupo BMW, na Alemanha.

Com mais de dois anos de atividade e mais de 54 projetos entregues ao fabricante alemão, dos quais se destacam o Operating System 7 e as novas aplicações da BMW e da MINI, a Critical TechWorks está agora à procura de perfis juniores e seniores que se juntem a estas equipas e que estejam alinhados com os valores da empresa.

“Mais do que pessoas com formação e hard skills, procuramos pessoas que tenham paixão pela tecnologia e pelo mundo automóvel, mostrem pensamento analítico e muita vontade de aprender, resiliência e prontidão para agarrar diversos desafios num ambiente futurista e de constante crescimento”, explica Luís Cruz, Chief Technical Officer da Critical TechWorks.

“Quem abraçar este desafio, tem de vir pronto para não só construir soluções inovadoras e disruptivas, como também para definir standards de mercado que certamente marcarão um novo paradigma de condução. Sabemos que será um processo bastante longo, com alguns avanços e retrocessos naturais numa área que está em constante evolução.”, conclui o responsável.

A Critical TechWorks atraiu cerca de 1000 colaboradores nestes dois anos e meio de atuação e, de acordo com os projetos novos já identificados, o objetivo, até ao final de 2021, passa por contratar mais 400 colaboradores, chegando às 1400 pessoas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

7 − 4 =