Eleições norte-americanas provocam incerteza nos mercados

Foto de Jonathan Simcoe no Unsplash

Seja qual for o vencedor, as eleições norte-americanas desencadearão um período de grande incerteza e volatilidade nos mercados até ao final do ano. A dívida pública será mesmo a verdadeira vencedora das eleições do próximo dia 3 de novembro, considera a seguradora Euler Hermes, que estima uma subida para 166% do PIB, até 2030, no caso de uma vitória de Joe Biden; e até 155% do PIB num cenário de reeleição de Donald Trump.

De acordo com o estudo realizado recentemente pelos analistas de risco da empresa líder mundial em seguro de créditos, o candidato do partido Democrata, Joe Biden, apesar do maior contributo para o aumento da dívida pública, devido ao seu programa de governo, poderá promover um crescimento económico de, em média, +1,4% por ano entre 2021 e 2030. Já o candidato do partido Republico, o atual presidente Donald Trump, tem um potencial de crescimento anual médio de +1,25% no mesmo período.

Segundo os economistas – e partindo de um cenário em que a pandemia de Covid-19 já fez disparar a dívida pública de 109% em 2019 para 137% –, numa presidência de Biden, o ritmo médio de crescimento da dívida pública seria de +2,2 pontos percentuais por ano entre 2021 e 2030, acabando por esta se situar nos 160% em 2030. Contudo, num cenário em que a proposta de Biden para financiar o perdão das dívidas de propinas dos estudantes universitários tenha um custo superior a 750 mil milhões de dólares (638 mil milhões de euros), a dívida poderá chegar aos 166% do PIB.

Por outro lado, se Donald Trump iniciar um segundo mandato – e se as políticas agora previstas se mantiverem durante toda a década –, a dívida pública norte-americana continuará a aumentar a um ritmo médio anual de +2,4 pontos percentuais entre 2021 e 2025, e deverá depois diminuir, em média, -1,3 pontos percentuais anualmente, acabando por atingir 142% do PIB em 2030. No entanto, os especialistas consideram que o cenário mais provável é que as medidas de redução da despesa previstas sejam aplicadas apenas parcialmente, e que a dívida pública dos EUA se situe entre os 151 e os 155% em 2030.

Imagem de chayka1270 por Pixabay

Quatro cenários para o resultado das eleições nos EUA

Independentemente das últimas sondagens divulgadas estima-se que a eleição será muito renhida. Os analistas da Euler Hermes trabalharam em quatro cenários diferentes, analisando o impacto económico de cada um.

No cenário considerado pelos economistas como mais provável (probabilidade de 40%), haverá uma vitória de Joe Biden, sem maioria clara no Congresso, mantendo-se o Senado nas mãos dos Republicanos. Assim, Joe Biden será menos ambicioso na execução do seu plano económico. Neste cenário, os analistas estimam que será possível um consenso em relação aos projetos de infraestruturas, mas a redistribuição de rendimentos às famílias não irá tão longe quanto previsto, ficando por cumprir a promessa de aumentar a taxa do imposto sobre as empresas de 21% para 28%. Consequentemente, neste cenário, o PIB dos EUA contrairia -5,3% em 2020, crescendo +3,7% em 2021 e +3,2% em 2022.

De acordo com o segundo cenário mais provável (30% de probabilidade), o Presidente Trump vence sem uma maioria clara no Congresso, mas mantendo o Senado ainda nas mãos dos republicanos. Em relação ao impacto deste cenário, os analistas estimam o surgimento de uma economia orientada para a oferta e cortes fiscais alargados para indivíduos e projetos de infraestruturas de menor dimensão. Além disso, destacam também que possíveis movimentos externos (guerra fria tecnológica, tarifas e sanções às empresas americanas localizadas no estrangeiro) penalizariam o crescimento económico (-5,3% em 2020, aumentando +1,7% em 2021 e +1,2% em 2022).

Num terceiro cenário (20% de probabilidade), Joe Biden teria uma grande vitória, conseguindo os Democratas uma grande maioria no Congresso. Este cenário teria como resultado o início de um novo ciclo de investimento, com grandes projetos de infraestruturas e políticas redistributivas; e a diminuição da taxa de desemprego, para 5,5% até ao final de 2022 (situa-se atualmente nos 8,4%). Neste contexto, o crescimento do PIB dos EUA seria de -5,3% em 2020, mas de +4% em 2021 e de 3,5% em 2022.

No cenário menos provável, de uma grande vitória de Donald Trump (10% de probabilidade), com o Congresso nas mãos dos Republicanos, a política económica ficaria marcada por cortes fiscais, novas medidas protecionistas, adoção bipartidária do programa de infraestruturas – menos extensa do que a Biden devido a um plano Ambiental menos ambicioso –, e a implementação antecipada de outros cortes nas despesas. Como consequência, o crescimento do PIB dos EUA seria de -5,3% em 2020, de 2,7% em 2021, e de 1,8% em 2022.

Euler Hermes é uma empresa de seguro de crédito comercial e especialista nas áreas de garantia, cobrança de dívidas, seguro de fraude, e risco político. Dispõe de uma rede de inteligência que analisa as mudanças diárias na solvência corporativa, representando 98% do PIB global. Em Portugal é a acionista da seguradora COSEC.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

sixteen + seventeen =