Queen Be – Boas práticas para o sucesso das startups

É dito que nove em dez startups falham. Para muitos, este é não só um facto real como uma verdade incontornável que todas as startups enfrentam. Filipa Larangeira, CEO & Founder da Orangeboom, acredita que estes dados estatísticos podem ser invertidos e que o ecossistema das startups pode tornar-se mais equilibrado, promissor e sustentável.

Para a Filipa, as startups podem fazer muito mais que sobreviver à inevitabilidade das estatísticas: elas podem mesmo tornar-se casos de sucesso de novos modelos de negócio que outros quererão seguir (inclusive grandes empresas). Mas como poderão então as Startups começar a inverter esta tendência?

Este é o tema central a que Filipa dá resposta no seu livro ‘Queen Be: How To Avoid The Top Startup Mistakes And Build An Extraordinary Business‘. ‘Queen Be’ identifica os principais erros cometidos pelos fundadores de Startups ao tentarem gerir prioridades estratégicas num mundo em rápido desenvolvimento, e ajuda os empreendedores a detetarem e contornarem esses erros em tempo útil.

‘Este ‘manual de novas práticas’ pretende evitar que sejam percorridos caminhos comprovadamente infrutíferos’, explica a autora. Dessa forma, os empreendedores evitam repetir os erros mais comuns que ‘impactam de forma negativa a cultura empresarial, os resultados do negócio e aqueles que nele investiram’, salienta.

O livro de Filipa Larangeira oferece ainda um modelo de negócio pioneiro, simples e operacional que pretende coadjuvar na construção de organizações sustentáveis e de sucesso. ‘Queen Be’ apresenta uma mudança de paradigma do crescimento frenético e de culturas empresariais desgastadas para uma nova abordagem centrada no ‘Ser’, partilhando ainda diversos exemplos de mulheres empreendedoras que provaram ser possível fazer diferente.

Essa perspetiva no feminino marca a proposta de Filipa Larangeira. Não se trata apenas de um manual de gestão, mas é também ‘um reconhecimento de algumas mulheres empresárias que conseguiram triunfar utilizando os instrumentos que sugiro’, destaca a autora.

Filipa Larangeira defende que ‘as características do género feminino fazem com que as mulheres conduzam não só as relações humanas, mas também que tomem decisões estratégicas de uma forma muito diferente dos homens. Após alguma reflexão, concluí que da conjugação das características de ambos os géneros resulta inequivocamente um modelo muito mais equilibrado e de maior sucesso para todos os que dele fazem parte: empresários, colaboradores, investidores e consumidores’.

O livro ‘é o produto das minhas vivências em primeira mão ou apreendidas enquanto parte do ecossistema das startups de onde resultam duas perspetivas complementares. Mas é também fruto da intuição que fui desenvolvendo na vida profissional, instrumento precioso em tomadas de decisões de contratação ou orientação estratégica’ sublinha Filipa Larangeira.

Hoje, 2 de novembro de 2016, começa a campanha de crowdfunding pela plataforma Publishizer, coincidindo com a apresentação no Village Underground (Lisboa).

nome

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

ten − 4 =