Quer ser fenomenal? Esqueça o equilíbrio!

Existem três grandes necessidades nos seres humanos. Alguns psicólogos afirmam que sempre que interagimos com alguém, deveríamos fazê-lo imaginando que essa pessoa tem um cartaz pendurado ao pescoço a dizer:

‘Quero ser apreciado, quero ser admirado, quero ser importante.’

Excetuando as pessoas que precisam de estar constantemente a chamar a atenção, algumas desejam genuinamente ser fenomenais nalguma coisa. Querem ser uns ‘experts’, querem ter o poder de deslumbrar outras pessoas com as suas capacidades e têm um desejo profundo de atingir a maestria nalguma área.

Quem quer que o leitor seja, acredito que existe uma possibilidade genuína de se tornar fenomenal em algo, se assim o desejar – isto se já não o for – todavia, se for esse o caso, acredito que o resto deste artigo vai ressoar plenamente consigo.

Quando olhamos para aquelas pessoas que são consideradas fabulosas nas suas áreas de atuação, existe um elemento que normalmente não é tido em conta, e que é a realidade para a grande maioria das pessoas que se treinaram para serem capazes de fazer o que fazem de forma sensacional, que é o fato de terem abdicado do equilíbrio nas suas vidas.

Salvo raras exceções, as pessoas que demonstram uma performance admirável em qualquer campo de atuação, fizeram a escolha consciente de abdicar de outras áreas da sua vida de maneira a focarem-se totalmente em apenas uma. Julgamentos à parte, cada um deve ser livre de escolher a forma como decide viver, desde que não prejudique ninguém com isso. Onde eu quero chegar, é que se for o seu intento atingir a maestria nalguma área, vai ter de fazer sacrifícios.

Os momentos de lazer devem ser a última coisa da sua lista, passar várias horas por dia a ver televisão é completamente impensável, assim como desperdiçar horas no café a conversar com amigos. Não querer abdicar destas coisas é perfeitamente aceitável, pois viver dessa forma costuma ser a regra e não é meu propósito censurar qualquer escolha que opte por fazer. Pode sem dúvida ser um profissional muito bom na sua área, pode até mesmo ser excelente naquilo que faz e ainda assim, conseguir manter um equilíbrio na sua vida.

No entanto, se deseja ser ABSOLUTAMENTE FENOMENAL vai ter de abdicar da maioria das gratificações imediatas, e toda a sua vida tem de ser dedicada ao seu artifício. Se estiver disposto a fazer o que muito poucas pessoas estão dispostas a fazer, vai chegar a um patamar onde poucos tiveram o privilégio de chegar. Quando isso acontece, é porque deixou de ver a evolução relacionada com o que faz como um objetivo e passou a vê-la como o seu propósito de vida.

Para tornar o seu objetivo num propósito de vida, tem de AMAR aquilo que faz. Mesmo que seja duro ter de praticar várias horas por dia, lidar com as dificuldades, trabalhar afincadamente para se tornar um dos melhores e estar em constante estudo, é possível ter prazer com o processo. Tornar-se cada vez melhor no seu campo pode ser algo que o deixa verdadeiramente feliz não obstante o trabalho árduo.

Existe um discurso do Steve Jobs onde ele diz que para se atingir um sucesso estrondoso, tem de se ser verdadeiramente apaixonado pelo aquilo que se faz, pois o caminho é tão difícil de percorrer e tão cheio de obstáculos, que se uma pessoa não for completamente apaixonada pelo seu trabalho, não vai conseguir manter um esforço intenso por um longo período de tempo.

Fazer do seu trabalho o seu propósito de vida não é para todo o mundo. A maioria das pessoas que consegue viver dessa forma fá-lo porque tem uma necessidade intrínseca de criar algo. Músicos, empreendedores, artistas, todos eles costumam sentir uma enorme paixão pelo que fazem, pelas suas criações.

Essa paixão, esse desejo intenso de criar algo memorável, é o que os leva a dedicarem a sua vida a uma coisa apenas. Pense em todas aquelas pessoas que mudaram o mundo com as suas criações, qualquer que seja o ramo de atividade. Consegue imaginá-las a ver televisão durante várias horas por dia? Imagina o Mark Zuckerberg a sair do seu emprego às 17h em ponto, apressado para ir para a esplanada do café ler o jornal desportivo, enquanto fala acerca de assuntos completamente triviais com os seus companheiros? E que tal o Elon Musk a jogar World of Warcraft durante 6 horas por dia?

A simples visão de um destes génios contemporâneos a agir desta forma é no mínimo caricata!

Se quando visualizou as situações acima mencionadas esboçou no mínimo um sorriso, é porque no seu íntimo sabe pelo menos duas coisas:

– Que aquelas pessoas são ABSOLUTAMENTE FENOMENAIS no que fazem.

– Jamais se poderiam ter tornado assim optando por manter um equilíbrio em todas áreas das suas vidas.

Se deseja tornar-se numa referência mundial, pode fazê-lo. Mas lembre-se que não existem atalhos e terá de fazer uma escolha: a escolha de viver para o seu propósito de vida.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

8 + 18 =