Universidade de Coimbra revoluciona indústria dos moldes

A técnica de fabricação agora desenvolvida pode representar uma ‘Nova Revolução Industrial’ por permitir, através do processamento de aditivos de metais, a criação de geometrias impossíveis de alcançar através de outros métodos. ‘Os processos aditivos possibilitam uma liberdade total na criação de formas complexas, com consequências no desenvolvimento do futuro da engenharia’, explica Teresa Vieira, coordenadora do estudo e docente da Faculdade de Ciências e Tecnologia daquela universidade.

Para Teresa Vieira, ‘os processos aditivos são o futuro da indústria’, pois, além de permitirem ‘melhorar todo o ciclo de produção, trazendo vantagens competitivas’, são uma técnica muito mais sustentável e ecológica. ‘Não há desperdícios porque as sobras são utilizadas na produção de novas peças contribuindo para uma solução industrial sustentável’, salienta Teresa Vieira.

O projeto Two in One (dois em um) foi financiado em meio milhão de euros pelo COMPETE – Programa Operacional Fatores de Competitividade – e coordenado pela ANI – Agência Nacional de Inovação e envolveu a FAMOLDE, uma empresa da Marinha Grande, especializada na fabricação de moldes de pequenas e médias dimensões destinados essencialmente às indústrias eletrónica e automóvel.

Os resultados da investigação e os benefícios da aplicação desta técnica para a indústria em geral, vão ser apresentados esta sexta-feira, pelas 18 horas, nas instalações da Ordem dos Engenheiros, em Coimbra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

3 × two =