Oeiras aposta no empreendedorismo social

Em entrevista ao Empreendedor, Ângelo Pereira, vereador do Emprego e do Empreendedorismo, defende a estratégia da Câmara Municipal de Oeiras no desenvolvimento económico do concelho.

– A Autarquia tem um Plano de Ação de Apoio ao Emprego e Empreendedorismo. De que forma se reflete esse apoio? nO plano de ação para o emprego e empreendedorismo, Oeiras Hub abrange um conjunto de dimensões estratégicas de atuação de que salientamos: a promoção da empregabilidade, a educação para o empreendedorismo, o apoio ao empreendedor, o empreendedorismo social, os estudos e projetos, a organização de eventos, e a elaboração de candidaturas a projetos financiáveis.

A promoção da empregabilidade e o estímulo de uma cultura empreendedora tem vindo a ganhar um novo alento, assumindo-se como uma vertente estratégica do Município, ancorada num conjunto de intervenções, alianças estratégicas e de parcerias com entidades concelhias, com o objetivo de apoiar os indivíduos em situação de vulnerabilidade face ao emprego, facilitando os seus processos de integração profissional. Assim, a este nível destacamos alguns apoios prestados pelo Município ao nível da promoção do emprego e empreendedorismo; como sendo a intervenção de proximidade levada a cabo pelos Gabinetes de Integração Profissional (GIPS), em parceria com o IEFP, a valorizando e reforço de competências formativas, através de formação e workshops de capacitação e desenvolvimento de competências, e no âmbito do empreendedorismo prestando o apoio de proximidade a munícipes que pretendam criar os seus negócios.

A este nível ressalvamos ainda que o Município se encontra ao momento a criar em parceria com a SEA (Social Entrepreneurs Agency), no concelho o projeto ‘Fábrica do Empreendedor’, com previsão da inauguração da sua sede em Setembro, que visa reforçar uma estratégia de empreendedorismo social junto das comunidades desfavorecidas, com apoio na promoção da empregabilidade, na criação de micronegócios de base local e na promoção de competências empreendedoras. No âmbito da dimensão da educação para o empreendedorismo o Município levou a cabo no presente ano letivo o projeto ‘escolas Empreendedoras’ com o objetivo de promover as competências empreendedoras junto da comunidade escolar, abrangendo este projeto neste primeiro ano o ensino básico e o ensino secundário/profissional, abrangendo no total cerca de 1100 alunos do nosso Concelho.

Tentamos, sempre que possível, enquadrar os nossos projetos em candidaturas a financiamento comunitários aproveitando assim os apoios comunitários existentes em matéria da promoção da empregabilidade e estimulo ao empreendedorismo. nCom efeito, o reforço da intervenção ao nível do emprego e empreendedorismo pretende potenciar o papel do Município como agente de desenvolvimento económico e social num território que pretendemos mais coeso e inclusivo.

– Um dos objetivos do vosso Plano de Ação é promover a inclusão. O empreendedorismo é um impulsionador do desenvolvimento? nSem dúvida. O empreendedorismo é um importante motor da inclusão social e do desenvolvimento social e económico dos territórios. Atualmente enfrentamos novos desafios, por um lado, o de modificar os nossos modelos de desenvolvimento, tornando-os mais incitados pelo conhecimento e pela tecnologia, por outro, o de desenvolver na sociedade e nos cidadãos uma cultura de inovação, baseada numa atitude que possibilite a mudança e incuta um espírito de competitividade. Inovação e a criatividade são hoje fatores críticos do desenvolvimento. É neste sentido que a cultura para o empreendedorismo ganha relevância, tendo em conta que não se nasce necessariamente empreendedor, mas é possível adquirir competências e atitudes que proporcionem o desenvolvimento de ideias e de projetos que visem criar, inovar, modernizar (re) inventar ou proceder a mudanças nos modos de atuação.

O empreendedorismo fomenta o desenvolvimento de empresas, que desencadeiam importantes consequências em várias dimensões do desenvolvimento económico e social do nosso País. O empreendedorismo aumenta a possibilidade de desempregados entrarem no mercado de trabalho, determina o crescimento económico do País, apoia o estabelecimento de negócios e inovações, ativa as economias de mercado, cria novas possibilidades de trabalho, e influencia a competitividade dos mercados e os níveis de inovação, todos estes fatores são chave para o desenvolvimento económico e social dos territórios.

– Mas nem todos os desempregados estão em risco de exclusão social. Alguns têm mesmo recursos para criar o seu próprio negócio, porém, muitas vezes faltam apoios para ultrapassar a burocracia e os ajudar a dar esse passo… Que tipos de estruturas de apoio ao empresário existem em Oeiras? nNo Concelho existem inúmeras iniciativas de apoio ao empresário, que abrangem o apoio formativo, o apoio a startups, Incubadoras de Empresas promovidas por Associações (ANJE, AERLIS, etc) ou por iniciativas de cariz privado.

O Município tem vindo, neste mandato, a investir no apoio ao empreendedor estando de momento a prestar um apoio personalizado a quem pretenda desenvolver uma atividade empresarial por conta própria através da ação dos Gabinetes de Inserção profissional (GIP’s), em Oeiras, Algés e Carnaxide, disponibilizando informações sobre legislação e recursos existentes na área do Empreendedorismo.

Neste sentido, foi assinado um Protocolo com a Cooperativa António Sérgio para a Economia Social – CASES, que tem como objetivo agilizar os processos de empreendedores que queiram candidatar-se ao Plano Nacional de Microcrédito para obter financiamento e assim criar um negócio. Paralelamente a esta intervenção encontra-se o município em articulação com outras entidades locais a criar ao um gabinete de apoio ao empreendedor, que vise reforçar o apoio de proximidade aos munícipes empreendedores.

Ainda no âmbito deste nível de intervenção realizamos o guia de apoio ao empreendedor, ‘empreendedorismo passo a passo’, sendo um documento que resume os passos essenciais para todos os interessados que pretendam abrir o seu negócio.

– Embora Oeiras tenha um tecido empresarial forte, a maioria dos grandes eventos de startups são em Lisboa. Nesse sentido a proximidade à capital é um elemento penalizador? nOs territórios têm as suas estratégias de desenvolvimento, que concorrem para os seus modelos de progresso territorial. As diferentes estratégias muitas vezes consubstanciadas em eventos, projetos e ações levadas a cabo por diferentes municípios funcionam como boas práticas de partilha e colaboração intermunicipal, trazendo trocas e sinergias positivas entre as diferentes experiencias municipais.

Em Oeiras temos acolhido importantes eventos de promoção da empregabilidade e empreendedorismo, como conferências, Feiras de Emprego, projetos relacionados com a educação para o empreendedorismo, concursos de ideias para jovens empreendedores, todos estes eventos são parte integrante do nosso plano de ação. Recentemente realçamos que o Município de Oeiras foi pioneiro no projeto de Smart Cities, que visa contribuir para a sustentabilidade dos territórios, com o objetivo de definir uma estratégia de longo prazo para a constituição de uma cidade analítica que influencie de forma positiva a atratividade do município e que seja capaz de fomentar a participação cívica, de gerir de forma eficiente e que seja um driver gerador de conhecimento.

– Que tipo de eventos de apoio ao empreendedorismo estão programados? nDestacamos nesta três projetos que consideramos estruturantes, a criação de uma Rede de Emprego e Empreendedorismo de Oeiras (REEO). A REEO que tem como objetivo articular respostas e sinergias locais, entre os vários atores do território, promovendo uma intervenção local articulada e sistémica nas áreas do emprego e empreendedorismo, potencializando meios, respostas e recursos em matéria de emprego e empreendedorismo. A REEO conta neste momento com cerca de 20 entidades parceiras. Num mercado global em constante mudança, o estabelecimento de parcerias estratégicas é um dos fatores de sucesso para se conseguir alcançar, dede parcerias estratégicas é um dos fatores de sucesso para se conseguir alcançar, de modo mais eficaz, muitos dos projetos e medidas que se pretendem levar a cabo.

Conforme já referimos encontramo-nos também a criar em parceria com a SEA a Fábrica do Empreendedor, no Concelho de Oeiras, como um projeto de empreendedorismo social que visa Contribuir para a sustentabilidade das comunidades desfavorecidas, numa otica de promoção do empreendedorismo social junto dos munícipes. Pretendemos também no próximo ano dar continuidade ao projeto ‘Escolas Empreendedoras’, abrangendo novos públicos (alunos e professores) reforçando assim as competências empreendedoras junto da comunidade escolar do Concelho. Procuramos com estas e outras medidas tornar o território de Oeiras num território mais inclusivo, mais inovador e mais aberto a experiências e ideias empreendedoras.

– Geralmente nas políticas de apoio ao emprego e ao empreendedorismo há a preocupação com os jovens, todavia começa a ser significativo e preocupante o desemprego dos mais velhos, sobretudo porque se transforma em desemprego de longa duração. O que é que a Câmara de Oeiras tem previsto para este problema? nA atuação do Município em relação à problemática do desemprego centra-se numa abordagem global de intervenção, focando-se na capacitação dos indivíduos visando a promoção das condições de empregabilidade de todos. No entanto, é de facto uma preocupação o aumento do desemprego de longa duração sobretudo nos candidatos com mais idade.

Neste contexto, o Município de Oeiras tem vindo a desenvolver um conjunto de medidas e de projetos que pretendem contribuir para facilitar os processos de inclusão social e profissional, de onde se destacam os seguintes:n n– Gabinetes de Inserção Profissional (GIP’s) – Estão em funcionamento desde 2009 e têm como objetivo apoiar jovens e adultos desempregados a definir ou desenvolver os seus percursos de (re)inserção no mercado de trabalho. Trata-se um projeto financiado e desenvolvido em parceria com o IEFP, abrande as localidades de Oeiras, Algés e Carnaxide.

– Workshops (in) formativos – Foram desenvolvidos workshops alusivos à área comportamental, sendo esta uma área facilitadora dos processos de integração profissional de indivíduos em situação de desemprego. Assim foram levados a cabo diferentes workshops temáticos com o objetivo de (in)formar e capacitar os seus participantes sobre temática relacionadas com o desenvolvimento pessoal, social e profissional, proporcionando a aquisição das competências necessárias para a procura de emprego.

– Talentos em Livre-trânsito (SAPANA) – Este Programa de formação utiliza uma metodologia inovadora, na medida em que incide na capacitação e valorização do indivíduo, não se baseando apenas na melhoria das competências profissionais, mas também promovendo as capacidades pessoais e sociais dos candidatos (autoestima, motivação, resiliência), facilitadoras da sua integração no mercado de trabalho. Consiste numa formação em contexto de sala durante 9 dias seguida de 6 meses de acompanhamento de mentoria.

O nosso plano de ação congrega ainda medidas especificas de apoio ao empreendedorismo Sénior, como o projeto sénior empreende, que se destina a indivíduos seniores em situação de desemprego, reforma, ou em atividade profissional ativa que pretendam criar projetos específicos, ou a integrar atividades de voluntariado no banco local de voluntariado de Oeiras, e outras entidades concelhias com atuação junto de pessoas seniores.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorFilomena Djassi: “Empreender é criar”
Próximo artigoPor um varejo profissional
O Empreendedor é um projecto de empreendedorismo colaborativo que pretende desenvolver e testar novas formas de cooperação entre indivíduos e organizações ligadas ao empreendedorismo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

17 − 15 =