5 formas de fazer as coisas à minha maneira

Sim, eu confesso: nem tudo é fácil na vida de um empreendedor. Há muitos momentos em que nos rendemos às preocupações e desperdiçamos noites de sono. Há cabelos negros que embranquecem, sucumbindo ao medo de falhar. Há filhos a quem se roubam horas de brincadeira. Há refeições saudáveis que ficam por comer. Há costas empedernidas depois de horas intermináveis ao computador, falta de exercício e momentos de stress causados pela incerteza e pela falta de dinheiro. Mas há também estes 5 momentos fundamentais em que tudo vale a pena.

1-Despedir o patrão

Depois de várias tentativas de convencer a empresa para quem trabalha de que as suas ideias poderiam ser implementadas com benefício para a mesma, sente que não está no lugar certo. Desistir do conforto de um lugar remunerado para arriscar um negócio próprio pode parecer loucura para muitos e é até muitas vezes mal interpretado pela família e amigos. No entanto não são poucos os casos de pessoas que o fizeram e que não se arrependem. O momento em que se sai pela última vez pela porta do local que nos estava a prender a uma vida que não era a que desejávamos é um dos momentos ‘my way’.

2-Mandar tudo às urtigas

Sabe aqueles dias em que tudo parece estar a correr mal? Haverá algo melhor que, no meio de um desses dias, dar-se ao luxo de abandonar tudo, ‘desligar o botão’ e ir dar uma volta? Ou dormir uma sesta quando está muito cansado? Ou ainda tomar um café com um amigo e discutir algo que o está a preocupar? Ter a liberdade de gerir os seus horários sem ter de dar satisfações a ninguém é, de facto, viver a vida ‘à minha maneira’.

3- Ser o seu próprio departamento de RH

Poder seleccionar a equipa com quem vai trabalhar, não apenas tendo em conta as competências dos candidatos e a opinião de um gestor de recursos humanos, mas também a forma como se relacionam consigo e a sua opinião pessoal sobre elas, é um verdadeiro privilégio. Ir buscar aquele profissional que há tanto tempo segue e admira, juntar-se a quem tem a mesma perspectiva acerca do negócio, ou ainda não se sentir condicionado por ‘cunhas’ ou pressões na composição da sua equipa são situações que não têm preço.

4- Escolher os seus parceiros

As parcerias e sinergias podem ser o factor decisivo para a sua empresa dar o salto. No entanto, bons parceiros não são obrigatoriamente aqueles que têm nome feito no mercado e inúmeros contactos. Negociar uma parceria com alguém que sente que tem pouco a ganhar pode deixar-nos numa posição desconfortável em que por vezes nos são pedidos demasiados sacrifícios e compromissos. Ter o nosso próprio negócio coloca-nos numa posição privilegiada para estabelecer parcerias com pessoas e empresas com quem nos relacionemos com naturalidade, bom humor e simpatia, estabelecendo verdadeiras situações de win-win e trabalhando ‘à nossa maneira’.

5-‘Despedir’ o cliente

Algumas pessoas têm uma interpretação bastante livre da definição de ‘serviço prestado ao cliente’. Telefonemas a meio da noite, reuniões inconsequentes, propostas apresentadas e inúmeras vezes alteradas sem qualquer resposta, horas de espera num escritório por falta de pontualidade, são apenas alguns exemplos. Quando o cliente é mais uma fonte de aborrecimentos do que de rendimento, há que considerar a hipótese de não estar a valorizar o serviço que estamos a prestar. Se o mal não for do serviço, pode ser do cliente. E nessa caso, que bom é ser empreendedor e partir em busca de novas oportunidades!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

14 + 3 =