Airbnb e Uber mobilizam utilizadores contra legislação local

Na passada terça-feira, 3 de novembro, os habitantes de São Francisco (U.S.A.) votaram a Preposition F, uma medida local que pretendia estabelecer que qualquer anfitrião do Airbnb não poderia alugar o seu apartamento ou quarto por um período superior a 75 noites. Resultado: a medida foi derrotada pelos eleitores com 55 por cento dos votos contra.

Os apoiantes da Preposition F, maioritariamente organizações comunitárias e grupos que trabalham na defesa dos direitos dos inquilinos, argumentam que arrendar uma casa em São Francisco se tornou praticamente impossível para os habitantes locais, já que a maior parte dos arrendamentos passou a ser de curta duração e a concretizar-se via Airbnb. Do outro lado, está a empresa – presente em 34 mil cidades de 190 países – que alega que tal medida a ser aprovada só iria prejudicar a classe média, uma vez que muita gente utiliza este tipo de arrendamento como uma ajuda para pagar a casa, numa metrópole onde o preço do imobiliário subiu muito nas últimas décadas.

‘Os habitantes das cidades reconhecem em que direcção se move o mundo, entendem que ou se vai em frente ou se volta para trás’, afirmou Chris Lehane, responsável pela política global e pelos assuntos públicos da Airbnb, a respeito da derrota da Preposition F, numa conferência organizada pela empresa um dia depois da eleição. ‘Eles sabem que em tempos de desigualdade social, esta é uma questão de em que lado se está: queres estar do lado da classe média ou queres-te opor à mesma?’

A empresa líder mundial em alugueres online de curta duração gastou aproximadamente oito milhões de dólares (7,4 milhões de euros) numa campanha agressiva que visou mobilizar contra aquela medida a população de São Francisco. Para tal, mandou espalhar por toda a cidade cartazes de oposição à Preposition F e contratou várias pessoas para promoverem a causa junto da população. Chris Lehane, um antigo agente político da administração Clinton e ex-assessor de Al Gore, foi o responsável pela ação, que movimentou uma quantia de dinheiro oito vezes superior à envolvida na campanha da oposição.

Durante a conferência, Lehane disse ainda que a Airbnb encontra-se preparada para mais lutas, e que, nesse sentido, está organizar ‘clubes’ de utilizadores da plataforma – um género de sindicato local – nas várias cidades onde opera.

A Uber e a Airbnb tornaram-se empresas multibilionárias – avaliadas em 50 e 24 mil milhões de dólares respetivamente – assentes numa estratégia de crescimento que passa por estarem presentes com uma pequena equipa em cada uma das cidades onde prestam os seus serviços independentemente da legislação local, muitas vezes inexistente a este respeito.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

four × 4 =