Como vender e comprar um imóvel em simultâneo

Imagem de mohamed Hassan por Pixabay

Vender e comprar uma casa ao mesmo tempo é um desejo bastante comum. Com a contínua subida dos preços da habitação – aumento 10,3%, segundo o INE – comprar casa não é uma realidade alcançável para a grande maioria dos portugueses. Contudo, para quem já possua habitação própria o processo poderá não ser tão complicado como se pensa. A agência imobiliária digital Housefy explica como fazê-lo e o que ter em conta durante o processo.

VENDER PARA COMPRAR

A principal entrave será a separação dos dois passos. Ou seja, enquanto se procura pela nova casa, é necessário que também se procure pelo comprador. Deste modo, o primeiro conselho é não realizar a compra do novo imóvel até que o Contrato de Promessa Compra e Venda do atual esteja assinado. Caso a ordem seja a inversa, poderá resultar no pagamento de duas prestações até que apareça um comprador.

Tendo em conta que esta primeira fase poderá ser demorada e levar a decisões impulsivas, é pertinente a elaboração de uma lista com todas as etapas e documentação, de forma a facilitar a organização e o foco ao longo de todo o processo. Esta deverá abranger os seguintes pontos:

  • A mudança;
  • Os impostos e documentação necessária à venda de uma casa;
  • Os impostos e documentação necessária à compra de uma casa;
  • Despesas da hipoteca;
  • Possível compra de novo mobiliário;
  • Possíveis gastos em obras/reparações.
Imagem de Tumisu por Pixabay

 TEMPO

Dado que o tempo irá ditar todo o processo quando se pretende vender e comprar casa, também é importante salvaguardar o mesmo, principalmente se a venda ocorrer antes da compra. Neste sentido, é recomendável fazer um acordo de 6 meses com o comprador entre a venda e a entrega definitiva da chave.

A HIPOTECA

O cenário ideal e mais fácil será para quem já tiver a atual casa paga, visto que apenas terá de realizar uma nova hipoteca para a nova. Porém, uma vez que por norma os empréstimos são de 30/40 anos, a situação normal será que ainda existam prestações por liquidar, neste caso existem três opções a ter em conta:

  • Cancelamento da hipoteca atual: Implica pagar a totalidade do remanescente do empréstimo e a respetiva comissão de cancelamento;
  • Sub-rogação da hipoteca: a dívida passa para o novo proprietário, ao substituir o credor na titularidade;
  • “Hipoteca Ponte”: junção da hipoteca da casa por vender e da nova, até que a primeira seja vendida. Esta opção ainda não é prática comum em Portugal, mas já se encontra disponível em bancos estrangeiros que operam no país. A mesma foi pensada precisamente para os casos de quem quer vender e comprar ao mesmo tempo.
Imagem de Mediamodifier por Pixabay

 PERMUTA

São casos raros, mas ainda assim existentes. A questão da necessidade simultaneidade neste cenário é um dado implícito, uma vez que ambos intervenientes assumem a posição de vendedor e comprador ao mesmo tempo.

A permuta permite igualmente uma poupança no crédito e consequente hipoteca. Ao fazer troca por troca, o valor do imóvel é abatido no outro e vice-versa, reduzindo significativamente a taxa de esforço. Contudo, nestas situações, existirá uma forte probabilidade que o Banco procure aumentar o spread ou obrigar a liquidação do empréstimo anterior e contratação de um novo.

Além do preço ser substancialmente mais baixo ou mesmo nulo, também o IMT deixa de ser uma dor de cabeça. Caso exista uma diferença no preço dos imóveis, este imposto só irá incidir na diferença declarada de valores. Se, por outro lado o valor for igual, os proprietários ficam livres deste encargo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

two × 4 =