Inovação: Tecnologia lidera comunicação mediática

Foto de Matthew Guay no Unsplash

Serviços Tecnológicos, Saúde, Banca e Energia são os setores mais mediáticos na área de inovação em Portugal. O estudo promovido pela consultora Beta-i analisou os setores predominantes da economia na comunicação de inovação nos media, naquele que foi o primeiro levantamento com esta abordagem em Portugal.

Identificar os setores mais mediáticos da economia Portuguesa no que diz respeito à inovação e as startups que surfam essa onda de comunicação foram dois dos tópicos explorados pelo estudo “Inovação nos Media Portugueses 2021 – Um retrato dos setores económicos mais mediáticos para empresas e startups”, promovido pela consultora Beta-i e desenvolvido pela empresa de media intelligence CARMA. O estudo analisou as narrativas de inovação associadas a estes dois tipos de organizações com o objetivo de aferir as diferenças e em que setores cada um destes agentes tem maior presença.

Para isso foi feita uma análise quantitativa dos artigos publicados ao longo de 2021 em mais de 30 dos principais meios portugueses online (e impressos, com versão online) que escrevem sobre inovação. A pesquisa cruzou todas as principais indústrias/setores de atividade económica com a palavra “inovação”, e os conceitos a ela relacionados, para a seguir categorizá-las no grupo de empresas e/ou startups.

Os setores económicos que mais comunicam temas relacionados com inovação são os Serviços Tecnológicos (IT e Software), Saúde, Banca & Finanças e Energia. Na vertente de empresas, os Serviços Tecnológicos representam 17%, Saúde 13% e Energia 12%. Já na vertente de startups, o primeiro corresponde a 26% e a Banca representa 15%. De forma geral, são as startups que têm maior mediatismo de inovação – ou comunicam de forma mais frequente e consistente – em quase todas as indústrias, com a exceção dos setores Automóvel, Agroalimentar e Comunicação & Media.

Ao olhar para os resultados por cada tipo de organização e comparar diretamente o volume de cada setor, o estudo conclui que o mercado da Banca & Finanças, por exemplo, demonstra uma prevalência massiva de artigos nos quais o conceito de inovação está relacionado com startups (93%). Este número reflete a profunda transformação do setor potenciada pelas fintechs, que, devido aos seus esforços de crescimento no mercado, procuram comunicar de forma veemente as suas novas funcionalidades e soluções.

Por outro lado, é no sector Automóvel que existe uma maior quantidade de artigos nos quais o conceito de inovação está relacionado com empresas estabelecidas (67%). Além de as empresas do setor serem das que mais investem em Inovação & Desenvolvimento (I&D), este é um segmento específico onde startups são, sobretudo, parceiras de relevo para projetos colaborativos de inovação.

Foto por AbsolutVision no Unsplash

De acordo com Diogo Teixeira, CEO da Beta-i, “a presença cada vez maior de temas ligados à inovação nos media portugueses reflete uma intenção e uma necessidade por comunicar novas narrativas e posicionamentos, mas são sobretudo reflexo da movimentação macroeconômica e da visão de futuro que Portugal tem procurado construir para si mesmo. Tanto empresas estabelecidas quanto startups e SMEs, nacionais e estrangeiras atuantes no país, tem trabalhado intensamente no espaço da inovação para entregar melhores soluções para os negócios, para a sociedade e para um uso mais racional de recursos – uma preocupação que deve estar sempre presente neste ecossistema. Estamos a falar de histórias de inovação em segmentos da economia cujos esforços, comunicados nos media, afetam diferentes áreas de atividade do PIB do país”.

Segundo Luís Garcia, Managing Director da Carma, “num período que abalou a confiança, intensificou-se a pressão sobre as empresas de vários setores para inovar e criar valor de formas diferentes, para fornecer orientação e segurança aos acionistas, colaboradores e clientes. Este relatório identifica como se destacaram as atividades relacionadas com inovação em ambiente corporativo e ambiente startup nos media nacionais durante um ano de extremos desafios e adversidades, ao mesmo tempo que ilustra como a Análise da Comunicação de Media, em profundidade e com método, fornece uma vantagem estratégica para organizações que operam num ambiente de inovação”.

Com base nas notícias com maior alcance e no protagonismo de empresas estabelecidas startups na narrativa apresentada aos media, o relatório identifica ainda quais os Hot Topics mais relevantes do ano passado. Na vertente das startups, a Web Summit dominou e, na vertente corporativa, o 5G foi um dos temas em destaque.

De uma forma geral, são os meios de comunicação do segmento Economia, Gestão e Negócios os que mais comunicaram temas relacionados com projetos de inovação durante 2021. Particularmente na vertente startup – onde o segmento Economia & Finanças é responsável por 63% do volume de notícias – os fatores de inovação e apoio a novas formas de negócio e de utilização de tecnologias aplicadas à banca, criptomoedas, insurtech ou blockchain, demonstraram forte dinamismo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

12 + 20 =