Legal Hackathon premeia tecnologia que simplifica linguagem jurídica

Aplicações para simplificar a linguagem jurídica
Foto: Miguel Ribeiro Fernandes

“O Meu Amigo Jurista” foi o projeto vencedor do Legal Hackathon, a primeira maratona de programação na área de Legal Empowerment em Portugal.

O Legal Hackathon decorreu no passado fim-de-semana, em Lisboa, e foi organizado pela Fundação Vasco Vieira de Almeida, VdA Academia, VdA e pela Startup Lisboa, com o apoio da Microsoft, da OutSystems, e a chancela da cátedra de Life Long Learning da UNESCO.

Durante um fim-de-semana, 16 equipas desenvolveram soluções tecnológicas com o objetivo de dar aos cidadãos acesso fácil a informação jurídica com vista a um mais eficaz exercício da cidadania. O grupo vencedor – O Meu Amigo Jurista – criou, em 24 horas, uma tecnologia que permite analisar e classificar o nível de “legalês” (linguagem jurídica) nos documentos para que sejam acessíveis a qualquer cidadão.

O primeiro prémio, no valor de 7.000 euros, foi entregue à equipa constituída por Mário Santos (programador), Alexandra Adão (jurista), Maria Inês Sousa (jurista) e João Tomás (programador), todos eles colegas de trabalho da mesma empresa. “Ganhámos este desafio equilibrando os backgrounds diferentes para encontrar soluções em pouco tempo. Nós, juristas, conceptualizámos a ideia e os programadores acabaram por concretizá-la”, declara Alexandra Adão.

Em segundo lugar, e com um prémio de 2.000 euros, ficou o Vínculus, uma plataforma destinada a criar contratos simplificados para todas as pessoas e, em terceiro lugar, com um prémio de 1.000 euros, ficou o projeto Advogário, um glossário legal interativo que apoia a tradução da linguagem dos documentos referentes a multas e coimas.

O primeiro Legal Hackathon em Portugal juntou 64 profissionais e estudantes das mais variadas áreas: da gestão à engenharia e à advocacia. O objetivo era promover, através da inovação e da tecnologia, soluções que aumentem a autonomia e inclusão do cidadão, melhorando a sua compreensão da linguagem jurídica, nomeadamente em assuntos do seu quotidiano. Ao mesmo tempo, esta iniciativa quis acelerar a inovação dentro do sector de Legal Empowerment em Portugal.

Candidataram-se a esta maratona de programação mais de 180 pessoas de todo país, tendo sido selecionados 64 participantes. O Hackathon teve um rácio de participação de mulheres de 35%, uma taxa superior à normalmente registada neste tipo de iniciativas. “A adesão a este Legal Hackathon foi massiva, superou as nossas expectativas tanto em quantidade como em qualidade”, afirmou Margarida Couto, CEO da Fundação Vasco Vieira de Almeida, na abertura do evento.

As 24 horas da maratona iniciaram-se às 14h do dia 16 de março, sábado, e terminaram às 14h do dia 17 de março. Durante o hackathon os participantes foram acompanhados por uma equipa de mentores constituída por profissionais da VdA e da Startup Lisboa, das organizações parceiras, a Outsystems e Microsoft Portugal, de startups e dos parceiros académicos do ensino superior.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

1 × three =