Marketing “as a Service”

Imagem de talha khalil por Pixabay

As empresas de Marketing “as a Service” fazem parte de uma tendência mundial em busca de soluções profissionais, velozes e assertivas. Se você ainda não as conhece, é melhor conhecer.

Como em todo mercado, sempre haverá empresas com maior e menor reputação, mas já é possível encontrar nos mercados Brasileiro e Português empresas com excelentes resultados e largo histórico de atendimento a grandes empresas, que podem ser contratadas sem nenhuma preocupação adicional.

Mas atenção, você precisa saber exatamente o que está contratando e a primeira grande diferença que deve observar, é que não se tratam de “pequenas agências”, nem “butiques”. São empresas que vendem serviço especializado, que normalmente resolvem muito bem apenas uma ou duas “dores” da sua empresa, mas de maneira simples e eficiente. São “Snipers”.

Existem 4 tipos básicos de empresas de Marketing “as a Service”:  

#1 – Modelo “Dedicado”

Funcionam basicamente como um “in house terceirizada”. Você terá todos os benefícios que já conhece em possuir uma in house, mas como se trata de uma contratação de serviço, terá ainda as vantagens de não precisar gerir a equipa, não se preocupar com seleção, contratação e substituição, máquinas, softwares, ocupação de vagas (headcount), nem mesmo com o período de férias, pois o serviço será prestado conforme acordado. E ainda terá a hipótese de adequar a quantidade de serviços contratados conforme a necessidade, por exemplo solicitar o aumento do volume de entregas para os períodos cheios como Black Friday, Natal ou Dia da Mãe. De maneira simples, combinou, pagou, recebeu. Os contratos são normalmente mensais, renovados automaticamente.

Imagem de GraphicMama-team por Pixabay

#2 – Modelo “Sob Demanda”

Modelo adequado para receber soluções que sua empresa utiliza rotineiramente, porém sem a constância diária. Nesta modalidade, é possível encontrar empresas especializadas que vão realizar trabalhos de excelência, mas os profissionais não ficarão dedicados à sua empresa. O prazo de entrega e o volume são muito superiores ao de uma agência tradicional, mas menos dedicados e exclusivos. Os contratos são normalmente por Job ou pacotes de Jobs.

#3 – Modelo “Compartilhado”

Normalmente executado por profissionais com muitos anos de experiência, este serviço é ideal para áreas estratégicas do marketing, como por exemplo a contratação de um gestor de media por apenas um dia da semana, ou um especialista em trade marketing por 2 horas ao dia. É uma excelente opção para pequenas e médias empresas que normalmente não poderiam contratar um profissional tão sénior como funcionário em tempo integral. Os contratos são normalmente por 6 meses ou anuais.

#4 – Modelo de gestão terceirizada da área

Esta modalidade dá-se quando uma empresa decide delegar todo o departamento de marketing a ser gerido por uma outra empresa especializada, que aportará seu extenso conhecimento e relacionamentos, e será responsável por praticamente todas as áreas do marketing da empresa, inclusive funcionários. Este modelo tem crescido bastante e gerado grandes ganhos. Os contratos são normalmente por períodos de um ano ou mais.

Imagem de GraphicMama-team por Pixabay

Outro ponto muito relevante é que as empresas “as a Service” não substituem as agências de publicidade. O trabalho é sempre complementar.Via de regra, as agências são o cérebro e as empresas “as a service” são os músculos.

Há pelo menos 4 grandes diferenças entre as duas soluções. Em primeiro lugar a especialização. As empresas “as a Service” não fazem serviços 360 graus nem criam planeamento de campanha (esse é o core das agências). Em segundo lugar, a disponibilidade. As empresas as a Service são muito boas em resolver grandes problemas e 99% das vezes que forem chamadas estarão prontas a assumir.

Outra diferença é que as “as a Service” conseguem produzir e entregar grandes volumes pois seus times são planejados para flutuar de acordo com a demanda. E a quarta diferença é em relação ao preço/Performance, já que por serem especialistas, erram menos e não podem se dar ao luxo de manter estruturas de alto custo.  

Após sair do cargo de Diretor de Vendas da Nokia do Brasil para abrir minha própria empresa chamada U5 Marketing – Designers as a Service, muitos amigos me procuraram para entender como foi o processo. Percebi que praticamente todo o empreendedor novato comete os mesmos erros simples, que podem ser evitados, como ter sócios demais ou não vender para a sua rede de contatos, não separar o dinheiro da empresa e da vida pessoal, e gastar demais em coisas desnecessárias.

Por isto, resolvi compartilhar as minhas e outras histórias reais, que são comuns a praticamente todo empresário iniciante (mesmo aqueles com décadas de experiência como executivos). É disso que continuarei a falar nos meus próximos artigos.

COMPARTILHAR
Artigo anterior10 tendências no online para 2021
Próximo artigoFundação José Neves aposta numa sociedade do conhecimento
Fábio Rodrigues
Fabio Rodrigues é CEO da U5 Marketing - Designers as a Service, Ex diretor de vendas da Nokia do Brasil e escritor do livro “Na Dúvida, Não Empreenda!”. Mestre em Ciências Empresariais pela Universidade de Lisboa, Pós graduado em Marketing de Serviços pela ESPM e administrador pela Universidade de Brasília. Já abriu 5 empresas e ainda sente frio na barriga todos os dias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

2 − 1 =