Mulheres Inventoras: Desafios e Contribuições na Inovação Científica

Portugal em segundo lugar na lista de mulheres inventoras
Foto de Freepik

A inovação é a chave para o progresso humano, e as mulheres têm desempenhado um papel fundamental na criação de soluções inovadoras para as questões complexas que enfrentamos hoje. De acordo com um estudo recente do Instituto Europeu de Patentes (EPO), um em cada sete inventores são mulheres, com Portugal posicionando-se em segundo lugar entre os Estados Membros da Europa. Enquanto a média europeia de mulheres inventoras está em 13,2%, em Portugal, a presença feminina entre os inventores ascende aos 26,8%, mostrando um número muito superior ao dobro da média.

O estudo do EPO debruça-se sobre a incidência do género feminino nas invenções e revela a importância da presença das mulheres no ecossistema da propriedade intelectual, destacando seus contributos e ações para a evolução da sociedade. A Organização Mundial da Propriedade Intelectual (WIPO) tem apoiado o papel das mulheres na inovação e criatividade, com o objetivo de dar visibilidade ao trabalho das mulheres e incentivar a igualdade de género na inovação.

reforçar o papel de mulheres inventoras
Foto de Freepik

Embora as mulheres tenham contribuído significativamente para a inovação ao longo da história, muitas vezes os seus nomes e realizações são esquecidos ou ignorados. Uma das primeiras mulheres a ser reconhecida como inventora foi Hedy Lamarr, uma atriz austríaca que, juntamente com George Antheil, inventou um sistema de comunicação secreta durante a Segunda Guerra Mundial. A tecnologia que eles criaram foi fundamental para o desenvolvimento da comunicação por satélite e do Bluetooth.

Outra grande inventora foi Ada Lovelace, matemática britânica do século XIX que escreveu o primeiro algoritmo para ser processado por uma máquina, o que fez dela a primeira programadora da história. Lovelace também previu que as máquinas seriam capazes de fazer muito mais do que simplesmente calcular e, portanto, ajudou a moldar a ideia de uma inteligência artificial.

As mulheres continuam a fazer avanços significativos na inovação, e muitas estão a liderar em áreas como tecnologia, ciências da vida, energia e meio ambiente. Por exemplo, Ann Makosinski, uma jovem inventora canadiana, criou uma lanterna que funciona apenas com o calor da mão humana. Outro exemplo notável é a bióloga molecular Jennifer Doudna, que em conjunto com Emmanuelle Charpentier desenvolveu a técnica de edição genética CRISPR, que tem o potencial de revolucionar a medicina e a agricultura.

o papel das mulheres na inovação
Foto de Freepik

No entanto, ainda há muitos desafios enfrentados pelas mulheres inventoras. A falta de igualdade de género na ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM) é um problema persistente que limita o potencial das mulheres para inovar e contribuir para o desenvolvimento da sociedade. As mulheres também enfrentam desafios financeiros, falta de acesso a recursos e oportunidades limitadas de networking.

A Patente Unitária Europeia, que entrará em vigor em 1 de junho, é uma das medidas que podem ajudar a apoiar a inovação científica, reduzindo os custos de manutenção das patentes e facilitando o processo de obtenção de proteção de propriedade intelectual. Esperamos que essa medida ajude a apoiar a inovação, incluindo a inovação liderada por mulheres, em toda a Europa.

Em suma, a história da inovação científica é rica em exemplos de mulheres inventoras que fizeram contribuições significativas para o campo do conhecimento, e a presença de mulheres na inovação continua a crescer em todo o mundo. Esperamos que, com o apoio da sociedade e dos governos, mais mulheres possam ter a oportunidade de realizar o seu potencial na inovação científica e tecnológica, beneficiando a todos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

nine − 3 =