Preços dos combustíveis preocupam os portugueses

Foto de Erik Mclean no Unsplash

Cerca de metade dos portugueses que utilizam automóvel para se deslocar para o trabalho não tem alternativas disponíveis e 18% denunciam transportes públicos insuficientes, estando assim impossibilitados de escapar ao grande impacto financeiro provocado pelos aumentos do preço dos combustíveis, revela uma pesquisa da Fixando, a plataforma especializada em serviços de profissionais liberais.

Segundo o inquérito realizado a 664 clientes da plataforma, realizado entre 9 e 14 de março, o carro continua a ser o meio escolhido pela grande maioria (75%) dos portugueses e, com os aumentos nos preços dos combustíveis, alguns condutores equacionam a utilização de transportes públicos (24%) ou de bicicleta (15%).

Também o aumento do preço da energia doméstica preocupa a esmagadora maioria dos portugueses, traduzindo-se numa tentativa de mudança de hábitos por parte da população, nomeadamente através da redução da utilização de equipamentos elétricos (57%) e da procura de equipamentos com menor consumo energético (17%).

Apesar de cerca de 25% dos proprietários considerar o investimento em energias renováveis, como painéis solares, esta é uma alternativa ainda pouco acessível a grande parte da população. A maioria dos inquiridos (62%) não considera instalar painéis solares ou alternativas energéticas na sua habitação devido, sobretudo, ao investimento inicial elevado (44%), às características da habitação (23%) e ainda por não considerarem que o investimento compensa (10%).

A Fixando, que liga clientes a especialistas de todo o tipo de serviços, revela ainda que a preocupação dos portugueses com o preço e com o impacto ambiental do consumo de energia, tem-se traduzido num aumento de 291% da procura por energias renováveis, face a 2021.

“Infelizmente, a mão-de-obra disponível para este tipo de serviços, como a instalação de painéis solares, não está a conseguir dar resposta à crescente preocupação dos portugueses com os problemas energéticos. Cerca de 60% dos nossos clientes não têm conseguido encontrar especialistas disponíveis para estes projetos”, explica Alice Nunes, Diretora de Novos Negócios da Fixando.

Apesar de haver incentivos importantes para investimento em energias renováveis, como os programas do Fundo Ambiental, a mesma responsável alerta que não é suficiente: “é fundamental reforçar o lado da oferta, especialmente na formação e certificação de profissionais desta área.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

10 − four =