PRR: O passaporte para a Inovação na Administração Pública

Transformação digital do Setor Público através do PRR
Imagem de ArtPhoto_Studio no Freepik

O Programa de Recuperação e Resiliência (PRR) constitui uma oportunidade ímpar para a transformação da Administração Pública (AP) e dos serviços públicos, mas deve ir muito mais além da mera transformação tecnológica.

Deve ser um trampolim de inovação para Estado, empresas e cidadãos que permita a todos ambicionar digitalizar, capacitar, empreender e investir naquilo que demoraria várias décadas a alcançar, mas que agora pode ser conseguido em apenas cinco anos.

A Estratégia para a Transformação digital da Administração Pública 2021-2026, aprovada a 26 de agosto de 2021, tem como uma das suas grandes metas tornar a AP mais eficaz e eficiente na resposta às necessidades e expectativas dos cidadãos e das empresas, através da prestação de serviços mais simples, integrados e inclusivos – criando condições para uma operação que tira o máximo partido do potencial de transformação disponibilizado pelas tecnologias digitais e a utilização inteligente dos dados.

Para o cumprimento dessa estratégia a cinco anos, o PRR tem disponíveis verbas que ascendem aos 578 M€, só para a componente 19, que abarca a “Transição Digital Da Administração Pública: Capacitação, Digitalização, Interoperabilidade e Cibersegurança”.

Transformação digital do Setor Público através do PRR
Imagem de Storyset no Freepik

Três grandes eixos de atuação

As medidas e iniciativas inscritas no PRR têm como principais objetivos a redução de custos de contexto e a melhoria da qualidade dos serviços públicos, centrando-se em 3 grandes eixos de atuação: Centricidade no Cidadão; Digitalização dos Serviços às Empresas; e Capacitação dos Trabalhadores do Setor Público.

A concretização destes objetivos coloca à AP grandes desafios na modernização dos fluxos e processos centrados nas necessidades dos cidadãos e das empresas, uma vez que as suas expectativas – à imagem do que acontece noutros setores – passam por serviços públicos integrados e omnicanal, que lhes poupem tempo, resolvam os seus problemas e necessidades e criem experiências que os satisfaçam.

Os cidadãos e as empresas querem uma AP ágil, fácil de compreender e que comunique de forma simples e eficaz. O Estado deve ter um papel facilitador e de melhoria contínua na vida dos cidadãos e das empresas. Esta mudança deve ser acompanhada por uma capacitação das equipas da AP, no sentido de renovar conhecimentos e competências capazes de inovar e sustentar novas formas de trabalhar suportadas numa cultura digital de agilidade e inovação.

“Se bem aproveitado, este PRR pode colocar os serviços públicos no centro da excelência em inovação”

Transformação digital do Setor Público através do PRR
Imagem de Storyset no Freepik

Oito ideias para alavancar a transformação digital do Setor Público através do PRR

1 | Iniciativas de transformação digital

Ajudar os organismos públicos a adotarem novas tecnologias (software de gestão de informação, plataformas online para acesso a serviços públicos, utilização de IA e automatização de processos, etc.) que melhorem as suas operações e boas práticas. Paralelamente, capacitar e apoiar os trabalhadores do Estado ao longo de todo o processo de mudança (novos processos, formatos e metodologias de trabalho).

2 | Melhoria do serviço aos cidadãos

A racionalização e automatização dos processos permitem aos organismos públicos fornecer serviços mais rápidos, transparentes e convenientes aos cidadãos, o que ajuda a construir uma relação de maior confiança e satisfação com o setor público.

3 | Redução de custos

A tecnologia aplicada à automatização de processos manuais (introdução de dados, manutenção de registos ou gestão de documentos, etc.) reduz o tempo, os recursos, os processos e o custo associados à prestação de serviços. A adoção de plataformas “zero-code” tem desempenhado um papel preponderante nesta matéria.

Transformação digital do Setor Público através do PRR
Imagem de Storyset no Freepik

4 | Colaboração e comunicação sem barreiras

A tecnologia permite melhorar a interação e o fluxo de informação entre diferentes organismos e serviços com diferentes procedimentos e intervenientes no Estado, permitindo-lhes trabalhar em conjunto de forma mais eficaz na prestação de serviços aos cidadãos, através de uma melhor interoperabilidade.

5 | Tomada de decisões data-driven

A tecnologia pode ser utilizada para recolher, armazenar e analisar grandes quantidades de dados que dão origem a informação relevante (com elevado grau de rigor, controlo, realismo e certeza) para identificação de padrões, previsão de tendências e tomadas de decisão mais céleres e informadas.

Transformação digital do Setor Público através do PRR
Imagem de Storyset no Freepik

6 | Foco na segurança e na privacidade

Mais do que nunca, é importante proteger a privacidade dos cidadãos (dados pessoais, informações financeiras, documentos confidenciais, etc.), reduzir o risco de violação de dados, monitorizar e prevenir as atividades suspeitas e ataques virtuais, através criptografia, autenticação de utilizadores, entre outras práticas de segurança realizadas hoje de forma mais precisa e confiável graças à tecnologia.

7 | Mais transparência e responsabilização

A tecnologia aumenta a transparência das operações governamentais e torna mais fácil aos cidadãos responsabilizar as agências governamentais pelas suas ações e decisões. Isto ajuda a aumentar a confiança no setor público e melhora a sua reputação – o que fomenta a participação ativa dos cidadãos fortalece a democracia.

8 | Fomentar a inovação

Encorajar o desenvolvimento de novas soluções e abordagens para os desafios do setor público leva à criação de novos empregos, ao crescimento económico, a um maior poder de compra e ao aumento da competitividade do país no mercado global.

Transformação digital do Setor Público através do PRR
Imagem de Storyset no Freepik

Se bem aproveitado, este PRR pode ser o instrumento que reposiciona Portugal e os serviços públicos portugueses no centro da excelência em tecnologia e inovação.

Em conjunto com os hubs tecnológicos, as startups e as organizações tecnológicas – que dão cartas cá dentro e lá fora – assim como as universidades, os centros de investigação e as incubadoras – que são já motor de conhecimento e colaboração – temos mais do que suficiente para afastar Portugal da malfadada ‘cauda’ e preferirmos ser antes a ‘cabeça’ da Europa – um conceito que já Camões e Pessoa ambicionavam nos seus versos, muito antes de imaginarem e comprovarem tudo o que a tecnologia é (e será) capaz de fazer para melhorar a vida dos cidadãos e transformar a sociedade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

2 × three =