Smart Open Lisboa apresentou projetos-piloto para a transição energética

Smart Open Lisboa apresentou projetos-piloto para a transição energética
Na foto: Diogo Moura, Vereador da Economia e Inovação da Câmara Municipal de Lisboa (foto de Dário Branco/SOL)

O programa de inovação colaborativa da Câmara Municipal de Lisboa juntou startups com organizações-chave em Portugal para liderarem a transição energética da capital. Os projetos desenvolvidos vão desde a aplicação de Inteligência Artificial à eletrificação até uma solução que permite monitorizar o comportamento dos veículos na cidade.

No âmbito do programa Smart Open Lisboa Transição Energética, promovido pela Câmara Municipal de Lisboa (CML), 10 empresas com presença no mercado nacional e startups, tanto nacionais como internacionais, juntaram-se para desenvolverem soluções focadas em acelerar a transição energética de Lisboa, rumo a uma cidade net-zero. Foram seis os projetos-piloto a chegarem ao final do programa para dar resposta a diferentes desafios da cidade e que passarão já para a fase de aplicação em contexto real, existindo outros ainda em estudo e com possibilidade de se virem a concretizar.

“O Smart Open Lisboa é mais uma das ferramentas essenciais para a transformação de Lisboa na Capital da Inovação. Esta transformação foi uma das metas que propusemos aos lisboetas e, para a atingirmos, estamos a trabalhar para promover a inovação de forma transversal à economia da cidade, aprendendo com o seu ecossistema empreendedor e trazendo-a também para os seus setores”, considera Diogo Moura, Vereador da Economia e Inovação da Câmara Municipal de Lisboa.”Com este programa, continuamos a criar e a reforçar laços numa comunidade de instituições que veem a inovação de forma colaborativa como uma prática de co-criação e como solução para os desafios centrais das áreas estratégicas de Lisboa”, acrescenta-

Entre os projetos-piloto do programa está uma ferramenta analítica baseada em Inteligência Artificial e machine learning, desenvolvida pela startup EVE em parceria com a Brisa, e que auxilia na tomada de decisão relativamente à assistência rodoviária da sua frota elétrica. Num outro projeto-piloto, a Brisa juntou-se à Schréder numa parceria com a startup canadiana Liveable Cities, que vem monitorizar dois nós de autoestrada operados pela Brisa. A tecnologia da Schréder, combinada com as capacidades dos sensores da Liveable Cities, irá fornecer uma solução para monitorizar o comportamento dos veículos, as velocidades e os parâmetros ambientais e permitirá à Brisa compreender o comportamento do trânsito nas interceções e perceber o seu impacto ambiental.

Já a Carris, também em conjunto com a Schréder e a startup Liveable Cities,  vai fazer uma monitorização das condições ambientais nas suas instalações de armazenamento e manutenção. Esta solução permite detetar alterações, enquanto se concebem e implementam políticas para melhorar os procedimentos operacionais utilizados nas instalações. Simultaneamente, a Carris vai reforçar a aposta na transição energética com um segundo projeto-piloto, baseado na análise de dados sobre o desempenho dos seus veículos. O projeto, com a startup irlandês EVE, tem como objetivo otimizar a gestão da frota e reduzir o consumo de energia – e consequentes emissões de CO2. Este piloto irá aplicar a tecnologia nos veículos elétricos ligeiros da Carris.

A ANA – Aeroportos de Portugal, em conjunto com a startup espanhola Predictive Company está a desenvolver um piloto que irá permitir a integração da tecnologia de IA no Terminal 2 do Aeroporto de Lisboa, para tornar mais eficiente o seu sistema de climatização. Este projeto levará ainda à poupança de energia, otimização dos custos e à redução das emissões de CO2. Por fim, a empresa está também a estudar a possibilidade de avançar com novas abordagens e com a implementação de microturbinas eólicas em contexto de aeroporto.

Esta edição introduziu ainda no programa a criação de uma componente de comunidade que assenta numa plataforma de partilha de conhecimento e experiências, e que permite às empresas envolvidas discutirem temas prioritários com uma visão estratégica. Este Smart Open Lisboa, focado na Transição Energética é um dos verticais do programa Smart Open Lisboa (SOL), que tem como objetivo promover a inovação e colaboração entre diferentes stakeholders – a cidade, os seus cidadãos, empresas e startups.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

3 × four =