UE vs. EUA: Uma Nova Divisão Económica Impulsionada pela IA?

Na foto: Christine Lagarde no Council on Foreign Relations, abril de 2024.

Um estudo recente da McKinsey revelou como a inteligência artificial (IA) poderia remodelar o mercado de trabalho nos Estados Unidos e impulsionar o crescimento da produtividade, no entanto, o mesmo não deverá acontecer na Europa.

Os economistas europeus estão bastante preocupados com o crescimento da produtividade, especialmente após Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu, ter feito a declaração contundente no mês passado: “É simplesmente espantoso que o crescimento da produtividade nos Estados Unidos entre 2019 e agora tenha sido de 6%. Na Europa, foi de apenas 0,6%.”

O artigo da McKinsey, intitulado “A new future of work: The race to deploy AI and raise skills in Europe and beyond”, aponta para fatores estruturais que podem tornar essa divisão de produtividade ainda mais pronunciada nas décadas futuras, parcialmente devido à inflexibilidade do mercado de trabalho na Europa e à falta de talentos.

De acordo com o estudo, cada lado do Atlântico precisará de até 12 milhões de pessoas para fazer a transição para diferentes tipos de empregos nos próximos cinco anos. Os setores que mais precisarão de transições de emprego até 2030 serão a Indústria de Auxílio à Saúde (+3,3 milhões), Profissões STEM (+2,3 milhões) e Profissionais de Saúde (+1,5 milhão), enquanto outras áreas levarão a reduções significativas – Suporte de Escritório (-5 milhões), Atendimento ao Cliente e Vendas (-1,7 milhão).

Até 2030, o estudo também prevê que cerca de 30% das horas de trabalho poderão ser automatizadas nos EUA e na Europa, impulsionadas pelas tecnologias Gen AI e Agent, forçando milhões de pessoas a fazerem transições ocupacionais.

Para a Europa, exigir um aumento na taxa de pessoas capazes de mudar para diferentes empregos será muito mais difícil do que para os EUA, em parte devido à inflexibilidade do mercado de trabalho. Segundo o estudo, o mercado de trabalho dos EUA está mais preparado para transições de emprego mais elevadas, visto que “1,2% da força de trabalho dos EUA muda de emprego a cada ano, enquanto apenas 0,4% da força de trabalho europeia mudou de ocupação anualmente entre 2016 e 2019”.

O artigo adverte que o aumento projetado de 3% na produtividade na UE pode estar em perigo e que “uma adoção mais lenta e menos transições de trabalhadores significariam um crescimento de produtividade de 0,3%, mais próximo da taxa de crescimento atual na Europa Ocidental”.

Conclui-se que, embora “a tecnologia de automação tenha o potencial de reviver a produtividade, permitindo que as economias resolvam a maioria dos desafios do mercado de trabalho de hoje”, … “Europa e Estados Unidos não estão na mesma trajetória para capturar esse crescimento de produtividade: a maioria das inovações relacionadas à IA é desenvolvida nos Estados Unidos.”

Historicamente, a Europa tem sido mais lenta em adaptar a sua economia a novas inovações tecnológicas, preferindo regulamentá-las mais rigorosamente devido a preocupações com tecnologias que substituem o trabalho.

Sabemos que as Tecnologias Gen AI têm um potencial maior para perturbar o mercado de trabalho do que outras tecnologias do passado. Será que a rápida transição necessária poderá levar a uma maior lacuna económica (e social) entre a Europa e os EUA nas décadas futuras?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

15 − 8 =