Bruno Perin – “Empreender é ser livre”

Bruno Perin fazendo palestra
Foto: Bruno Perin

Bruno Perin considera-se “um inconformado que precisou criar algo para resolver um problema que já não aguentava mais”.  O seu ar despojado e o seu estilo “Free LideStyle, compõem a sua identidade, mas a sua experiência na criação e aceleração de startups fazem com que seja um dos brasileiros mais influentes no mundo dos negócios de alto impacto.

Em entrevista ao Empreendedor, Bruno Perin diz que sempre achou muito frustrante “estar limitado por regras que nos impedem de ousar”. Para ele, “empreender é ser livre para aproveitar as oportunidades. O risco do empreendedorismo vale a pena por essa autonomia de depender das suas habilidades e determinação para fazer o seu caminho.”

Bruno Perin é autor do livro “Sem Dinheiro – Como construir uma startup com pouco capital”, um dos livros mais interessantes do mercado que explica como empreender usando o mínimo de dinheiro. O livro foi lançado recentemente no Brasil e o Empreendedor tem para oferecer aos seus leitores um resumo especial disponibilizado pelo autor.

o principal motivo para as pessoas não darem o passo e empreenderem é precisamente por NÃO TER DINHEIRO

Tudo começou com uma bonita história

A ideia do livro nasceu de uma “bonita história”, recorda. “Eu estava correndo de volta para casa, depois do trabalho (esta é uma oportunidade que tenho para praticar exercício) e, no meio do trajeto, notei algumas manchas de sangue no chão. A princípio fiquei meio assustado – eu tenho pânico de sangue – mas depois vi que era um senhor, com cerca de 70 anos que tinha o pé enfaixado e sangue em volta. Havia duas pessoas ajudando e eu continuei correndo. Mas, dez passos à frente, pensei que talvez aquelas pessoas não estivessem conseguindo efetivamente ajudar, e voltei. Na verdade acabei dando uma mão e ajudando a resolver a situação. Mas no final, uma das pessoas que lá estavam me olhou e falou (ela não sabia quem eu era) – “Nossa, sabe que eu já pensei em criar um negócio que ajudaria pessoas como esse senhor? Pena que EU NÃO TENHO DINHEIRO…”

Parecia um raio atravessando a minha mente! Junto com essa frase veio sei lá quantas mil vezes já ouvi essa afirmação – e lhe digo que de fato o principal motivo para as pessoas não darem o passo e empreenderem é precisamente por NÃO TER DINHEIRO – esse momento foi intenso, porque ao mesmo tempo que vi todas essas mensagens e aquela pessoa ali querendo fazer algo, mas limitada pela falta de grana, lembrei que todas as vezes na minha vida eu empreendi sem dinheiro! Foi nesse instante que pensei: “cara, eu sei fazer isso, já consegui lidar com essa questão MUITAS vezes. Preciso ensinar como é possível empreender sem grana.”

Então e como é? Como conseguir dinheiro quando tudo o que se tem é apenas uma boa ideia? Como vamos conseguir contornar a falta de confiança dos investidores, sobretudo quando é alguém que está ainda começando?

A primeira questão é: realmente precisa de um investidor e dinheiro? No momento que você começa a trabalhar começa também a construir uma comunidade, a melhorar seu networking e conhecimento. Com os passos iniciais do negócio, você começa também a gerar valor para o que está fazendo. Não fique apenas tentando vender a ideia. Por muito boa que seja é muito pouco.

O que eu faço muita questão de explicar às pessoas é que tem aspectos muito mais importantes de um negócio, do que apenas a ideia para você conseguir investidores ou recursos. Quanto mais você sai do patamar da ideia para testes sobre o negócio, mais você vale e maior é seu potencial.

Quer dizer que o livro é o resultado da sua experiência pessoal?

Eu diria que a base são as minhas experiências, que obviamente trazem ainda mais consistência às ideias, mas me apoiando também no que outras pessoas passaram. Acredito que essa combinação entre a minha experiência pessoal e o que eu aprendi com os outros enriquece muito o livro e as dicas que partilho. É bem claro de perceber, pois o leitor vê que o foco é ensinar o que é possível fazer, e não enrolar com muitas histórias e citações para encher linguiça…

É um manual, para ajudar os empreendedores?

Eu não vejo TV, e faz tempo também parei com o Netflix, meu vício sempre foi leitura. Meu sonho sempre foi escrever um livro daqueles que você olha e diz – “Nossa, de fato contribui para o mundo”. Eu já tinha escrito outros dois – e penso que foram livros bacanas – mas este, eu tenho a sensação que será a grande obra da minha vida, pois, acredito que nunca fiz algo que pudesse ajudar tanto.

As pessoas vão entender, ao ler o livro, quantas coisas são possíveis de fazer para conseguir empreender com muito pouco dinheiro, novas perspectivas, caminhos, que transformam o grande problema da falta de grana em uma gama de alternativas… Sinceramente, meu sonho é ver os leitores criando negócios muito significativos para problemas reais.

Foto: Bruno Perin

O que é para si ter sucesso? É sorte, ou tem segredo?

Sucesso é ter orgulho da pessoa que você está se tornando. Não acho que seja sorte e tão pouco exista um segredo – apesar de muitos andarem vendendo isso. Acredito antes que é o resultado de um desejo de evoluir inspirado em razões realmente significativas. Mas não é fácil achar isso, como algumas pessoas às vezes apresentam… É difícil mesmo! É preciso encontrar algo que valha a pena, se dedicar de corpo e alma, e depois ter a garra para se manter ali perante as dificuldades e possíveis duvidas. Sucesso é você conseguir se manter nesse caminho.

Ser empreendedor é ter bons e maus momentos, pode recordar alguns?

Todos os dias temos momentos que marcam, mas não tem um dia na vida de um empreendedor só com situações boas, e outro de ruins. Empreender é saber lidar com isso. Num desses dias tivemos uma evolução considerável num setor de uma das nossas startups, mostrando que a nossa proposta era mais atrativa do que imaginávamos o que foi uma adorável surpresa. Em contrapartida tivemos problemas ao adequar ao nosso novo fornecedor de SMS e isso nos prejudicou um pouco. Eu vejo uma coisa boa e uma ruim ao mesmo tempo, na mesma situação… É assim mesmo.

A realidade brasileira contribui para que o empreendedorismo seja visto de forma diferente de outros países?

Parece que no Brasil tem muito mais fatores jogando contra, desde impostos, burocracia, até desestímulo social (que felizmente vem mudando bastante nos últimos tempos). Hoje, começamos a ter uma força que cresce de entidades e instituições de ensino querendo provocar o empreendedorismo, e que começou há pouco a ganhar real impacto. Acredito que nos próximos anos vamos colher bons frutos. Na real, o empreendedor brasileiro que consegue sobreviver é um(a) grande guerreiro(a).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

seven + eighteen =