Angels Way: Fundo inovador angaria 1.2 milhões de euros para investir em startups portuguesas

Na foto: sessão de apresentação do fundo Angels Way

Fundo de pequenos investidores vai investir em 20 startups. O Angels Way agrega mais de 500 participantes com investimentos a partir de 1.200€ para apoiar startups.

A grande inovação do fundo, designado de Angels Way, é assegurar que todos os seus investidores possam participar ativamente na seleção, discussão e decisão sobre em quem investir, e que possam sobretudo acompanhar a atividade dessas empresas. O fundo foi lançado pela Olisipo Way, VC de early stage.

O ticket mínimo para participar no fundo é de apenas 1.200€ e o máximo de 12.000€, para permitir um maior número de participantes que se regem por um propósito comum de procurar as melhores startups em fase inicial em Portugal. Serão mais de 500 os pequenos investidores que vão integrar o fundo inovador que permite que qualquer pessoa comum possa investir numa startup, no montante total de um milhão de euros dividido em 20 startups.

“É a maior revolução na democratização de investimentos desde a criação da bolsa de valores”, afirma José Serra, Managing Partner da Olisipo Way, sociedade de investimento que está a lançar o projeto. A maioria dos investidores são pessoas de backgrounds diferentes que não estão necessariamente ligados ao ecossistema empreendedor, desde managers, a engenheiros, médicos ou professores que tenham conhecimento em diferentes áreas e verticais.

“A maior parte dos investidores da Angels Way são eles próprios fundadores de startups ou pessoas com grande experiência profissional que esperavam uma oportunidade para partilhar o seu conhecimento e ajudar empresas em fase inicial a crescerem o seu negócio, aprendendo também e ganhando com o seu sucesso. Contamos também com muitos investidores experientes que têm curiosidade sobre o funcionamento do fundo e querem ter acesso a mais oportunidades”, conclui José Serra.

Normalmente, os fundos de investimento são geridos por profissionais, que recolhem o dinheiro de grandes investidores e gerem os ativos, cobrando em troca comissões pelo trabalho que realizam e fees de sucesso pelo crescimento do fundo. Na Angels Way não haverá intermediação, pois são os próprios investidores no fundo que tomam diretamente todas as decisões em conjunto para que haja total transparência das atividades a decorrer – haverá um grupo de investidores alocado a cada startup investida que trabalhará numa lógica de proximidade para apoiar o desenvolvimento do ecossistema ao mesmo tempo que criam rendimento para os angels.

“Acreditamos que o investimento em comunidade é o futuro, essencial para exponenciar startups mais fortes. É uma forma de democratizar investimentos, dar mais apoio e visibilidade a projetos inovadores. Este modelo só é possível por ter sido desenvolvida uma tecnologia avançada que gere todas as interações entre os participantes do fundo, a partilha da informação e a transparência total de todos os processos de decisão”, afirma Tocha, Executive Partner da Olisipo Way.

O lançamento do fundo da Angels Way está ainda dependente da prometida aprovação pelo governo de um ajuste do atual enquadramento legislativo, que vai permitir a redução do montante mínimo de investimento, que é atualmente de 50 mil euros, para cumprir a vontade do valor mínimo ser de 1.200€. Até lá, o fundo ainda está disponível a novos subscritores, que poderão registar-se diretamente no site.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

20 − nineteen =