Casa do Impacto lança fundo de investimento para projetos em fase seed

Equipa da Casa do Impacto
Foto: Cada do Impacto

A Casa do Impacto tem 500 mil euros por ano para apoiar ideias de negócio nas fases de pré-seed e seed de startups que respondam a desafios sociais e ambientais. O fundo filantrópico da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa vem permitir aos empreendedores, na fase inicial do seu projeto, o acesso ao investimento necessário para darem o primeiro passo e testarem o seu modelo de negócio. As candidaturas ao +Plus decorrem até 30 de abril, no site da Casa do Impacto.

O fundo filantrópico +Plus pretende estimular o ecossistema de empreendedorismo social e conta com uma verba de 500 mil euros por ano para possibilitar o teste de novas ideias com potencial de impacto social e ambiental (projetos em fase pré-seed ou testing), bem como para o desenvolvimento de organizações sustentáveis, com ideias inovadoras e com resultados comprovados (projetos em fase seed ou early stage).

“Na Casa do Impacto começámos com o que achamos prioritário: criar um ecossistema de impacto e estimular a existência de novos players, através da capacitação dos empreendedores para a tração dos projetos. Agora, o ecossistema já está num ponto de maturidade tal que nos permite lançar este fundo para possibilitar a criação de mais negócios e dar escala aos que já existem.” diz Inês Sequeira, Diretora da Casa do Impacto.

Os apoios, financeiros ou não, serão concedidos à medida de cada ideia ou projeto e consequente tangibilidade das metas definidas, numa lógica de pay-for-results. “Queremos assumir o verdadeiro significado da “responsabilidade social” e, por acreditarmos nos projetos, queremos acompanhá-los de perto e traçar em conjunto o percurso do negócio numa lógica de corresponsabilização com os empreendedores, assumindo também o risco”, refere.

Foto: Casa do Impacto

Numa primeira fase, o fundo é apenas dinamizado pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, através da Casa do Impacto, mas no futuro estará aberto a outros investidores e parceiros estratégicos de negócios que nele pretendam investir. “Partimos do princípio de que ainda estamos a construir um novo ecossistema e, por isso, não podemos ser rígidos ao ponto de definir já o futuro”, esclarece Inês Sequeira.

A Casa do Impacto, polo de empreendedorismo social da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, tem como objetivo promover e apoiar negócios que desenvolvam soluções sustentáveis e com impacto positivo na sociedade (com base nos 17 Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável da ONU). Para isso tem vindo a desenvolver inúmeros mecanismos de apoio ao empreendedor social, como o concurso Santa Casa Challenge (que premeia a inovação digital social) e o RISE for Impact (programa de aceleração para projetos em fase de validação de ideia), para além da incubação, workshops, formações e acompanhamento personalizado aos seus residentes.

Como funciona?

As candidaturas ao +Plus são feitas através de um formulário online disponível no website da Casa do Impacto, entre 20 de fevereiro e 30 de abril. Podem candidatar-se pessoas ou entidades coletivas de qualquer parte do mundo, desde que a implementação da ideia ou negócio seja em território nacional, sem prejuízo de internacionalização numa fase mais avançada.

Terminado o prazo de candidaturas, são verificados os requisitos formais até ao limite máximo de 10 dias a contar da data de encerramento de candidaturas. Depois serão remetidas à Equipa de direção, dirigida por Inês Sequeira, Diretora da Casa do Impacto e do Departamento de Empreendedorismo e Economia Social da SCML, composta também pela unidade de Investimento Social do mesmo departamento da SCML e por um júri designado que poderá solicitar entrevistas presenciais e a presença em sessões de pitch para seleção dos projetos.

Quais são os critérios?

Os critérios de seleção têm por base o perfil do(s) candidato(s), a inovação do projeto, a exequibilidade do modelo de negócio e os resultados e contributos previsto para a resolução do desafio social em causa (o impacto positivo na sociedade). Posteriormente, será ainda avaliado o empenho e envolvimento do(s) candidato(s) na entrevista e eventos, a capacidade de integração de feedback e cumprimento de metas estabelecidas.

Como vai ser distribuído o investimento?

Na vertente testing, as ideias ainda não iniciadas deverão contar com o início de implementação no prazo máximo de 1 ano, a contar da data da atribuição do financiamento. Aqui será atribuído investimento até ao valor de 20.000,00 €. Na vertente de early stage os projetos devem ter até 3 anos. Neste caso, a doação ou bolsa será no valor máximo de 100.000,00 €. Cabe à Equipa de direção e júri a decisão de atribuição de financiamento e montante, decisão que é depois remetida a Conselho Consultivo, composto pelos parceiros estratégicos do +Plus: o Continente, a Sociedade de Advogados Vieira de Almeida, a Danone e a Fidelidade.

Todos os candidatos terão acesso ao resultado da deliberação no prazo máximo de 90 dias, a partir dos quais contam-se 45 dias para a contratualização com os projetos selecionados.

As candidaturas elegíveis e selecionadas recebem apoio durante 3 anos, ao que acresce um período de seis meses caso se verifique um eventual atraso na conclusão das operações e no cumprimento do plano de investimento.

Dada a corresponsabilização do +Plus, será definido um plano de pay-for-results, que significa que o(a) promotor(a) cuja candidatura seja aprovada para financiamento deverá cumprir metas estabelecidas para as diferentes fases de execução, às quais estarão associadas tranches do financiamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

two × two =