Como Obter Financiamento Para Criar Empresa?

Foto de Pixabay em Pexels

Por vezes, temos uma ideia de negócio que queremos pôr em prática, mas a falta de conhecimentos de como criar uma empresa e obter o capital necessário para avançar com o projeto, podem ser entraves mais que suficientes para adiar a sua concretização.

Assim, em primeiro lugar, é importante realçar que, existem diversas formas de obter financiamento, seja por investidores privados, amigos, crédito bancário, apoios do estado, entre outros.

A plataforma Portal do Crédito, constituída por especialistas em diferentes tipos de financiamento, explicou ao Empreendedor as principais alternativas a ter em consideração nestas situações e ajudou a esclarecer as dúvidas mais comuns.

Crowdfunding

É um sistema de financiamento coletivo realizado em plataformas online que permite às pessoas fazer doações, com ou sem contrapartidas, a empresas, projetos e organizações.

Este meio é bastante utilizado por organizações sem fins lucrativos que utilizam plataformas como a GofundMe para conseguirem milhares de euros em doações em todo o mundo.

No entanto, o crowdfunding pode também ser utilizado com vista à angariação de capital, onde, em contrapartida, a pessoa oferece uma percentagem da empresa, ações ou alguma outra contrapartida futura.

Algumas das plataformas de crowdfunding mais conhecidas das pessoas são a Kickstarter, Seedrs ou a portuguesa PPL.

Foto de RODNAE Productions em Pixabay

Crédito Pessoal

Um crédito pessoal é alternativa mais comum para uma pessoa financiar o seu negócio. Uma das suas grandes vantagens é o facto do empreendedor, apesar de ter de pagar o capital emprestado com juros, não ter de ceder parte do controlo da empresa.

Este género de empréstimo pode chegar aos 75.000 euros a prazos de pagamento até 84 meses. Contudo, as condições de acesso e taxas de juro em vigor podem variar bastante de entidade para entidade, pelo que, para conseguir o melhor crédito pessoal mais barato possível para o projeto, é sempre aconselhável fazer simulações em diversas instituições.

Sistema de Garantia Mútua

Os mecanismos da Garantia Mútua de apoio às pequenas e médias empresas (PME) foram criadas especificamente para empresas que não têm garantias suficientes para aceder a crédito bancário – funcionam como uma espécie de fiadora da PME.

Não só facilitam o acesso ao crédito por parte das empresas com elevado potencial inovador, como tornam o crédito mais barato. Assim, o custo que um novo negócio suportaria por um financiamento bancário com Garantia Mútua tende a ser mais baixo do que seria caso recorresse ao empréstimo do banco de forma individual.

Para saber melhor como poderia funcionar para a sua empresa, o melhor será contactar diretamente uma instituição bancária.

Foto de RODNAE Productions em Pixabay

Microcrédito

Se a empresa que pretende abrir não tem as condições de elegibilidade exigidas para recorrer aos mecanismos de Garantia Mútua e não tem como dar garantias à entidade bancária para obter um empréstimo, então o microcrédito pode ser a solução ideal.

Em Portugal, poderá pedir até 15.000 euros através da Associação Nacional de Direito ao Crédito (ANDC) onde inclui apoio na preparação do dossier do investimento e, após o mesmo, na resolução de possíveis problemas relacionados com o desenvolvimento da empresa.

Contudo, este tipo de financiamento não é acessível a toda a gente. Terá de seguir os seguintes pressupostos:

  • Não ter condições de pedir acesso ao crédito bancário normal;
  • Permite-lhe criar o próprio emprego;
  • O projeto tem de demonstrar ser sustentável e capaz de gerar rendimentos suficientes para pagar o reembolso do empréstimo.

Apoios Públicos

Existem também apoios financeiros disponibilizados pelo IEFP e pelo IAPMEI que poderão ajudar as pessoas a criaram o seu próprio negócio. Estes empréstimos têm taxas de juro mais baixas que um crédito bancário normal.

No caso do IEFP, existem apoios como o INVEST+ que poderão ser úteis. Contudo, mais uma vez,  existem requisitos para obter o financiamento:

  • Desempregados inscritos no IEFP há 9 meses ou menos, em situação de desemprego involuntário ou inscritos há mais de 9 meses, independentemente do motivo;
  • Jovens entre os 18 e 35 anos à procura do primeiro emprego;
  • Nunca tenham exercido atividade profissional por conta própria ou de outrem;
  • Trabalhadores independentes cujo rendimento médio mensal, no último ano, seja inferior  à retribuição mínima mensal garantida.

Já no Portal do IAPMEI, poderá encontrar diversas soluções para conseguir financiamento com apoio público como, por exemplo, através dos Fundos de Business Angels ou do Coinvestimento 200M.

Foto de RODNAE Productions em Pixabay

Concursos e Competições

Tanto a nível Nacional como a nível internacional, existem centenas de concursos que permitem as pessoas exporem as suas ideias de negócio a júris e a possíveis investidores.

Os prémios destes concursos variam bastante conforme a sua tipologia e dimensão. Todavia a recompensa pode estar associada a programas de aceleração, capital de risco ou um valor monetário sem contrapartidas.

A nível nacional, para saber mais sobre estes concursos e apoios poderá consultar a Anje – Associação Nacional de Jovens Empreendedores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

five + one =