Imobiliário: Lisboa com o maior aumento de preços de arrendamento na Europa

Foto de Jo Kassis em Pexels

Lisboa lidera as cidades europeias com preços mais altos, tanto em média de venda, como de arrendamento, em comparação com Madrid, Barcelona e Milão. Apenas Paris é mais cara.

Em 2023 estima-se que os preços de arrendamento continuem a aumentar em toda a Europa, enquanto os preços para compra de habitação deverão estabilizar ou cair ligeiramente em 2023.

A CASAFARI, a maior plataforma europeia de dados imobiliários, apresentou ontem as conclusões do Relatório do Mercado Residencial para o 4º trimestre de 2022, tendo por base todos os dados de imóveis online e registados na plataforma, num total de mais de 180 mil imóveis disponíveis online nas cidades de Lisboa, Paris, Milão, Madrid e Barcelona

Os preços de arrendamento registaram um forte crescimento devido a um défice de oferta generalizado. As rendas das cidades analisadas aumentaram em média 17,9% comparativamente ao período homólogo, à data de dezembro de 2022.

Lisboa lidera as subidas das rendas com um aumento de +36,9%, atingindo um valor de renda médio de 21€/ m², o mesmo preço médio de Barcelona. Paris, continua a ser a cidade mais cara para arrendar, no entanto mostrou um crescimento mais modesto nas rendas, com +4,5% quando comparado com o período homólogo. As restantes cidades tiveram aumentos sólidos de dois dígitos desde dezembro de 2021, variando de +11,6% em Madrid, e +19,3% em Milão.

Em dezembro de 2022, o preço médio de arrendamento por metro quadrado era de 41€/m² em Paris; 23€/m² em Milão; 21€/m² em Barcelona; 21€/m² em Lisboa e 17€/m² em Madrid.

Já quanto aos preços de venda de imóveis para habitação, entre 2021 e 2022 registaram-se aumentos em média de 4,5%. A variação mais acentuada foi em Madrid, onde os preços subiram +8,1%, seguido de Lisboa com +7,1% e Barcelona com +6,6%. Apenas a cidade de Milão registrou um crescimento modesto de +2,2%. Já em Paris, registou-se uma tendência oposta, com um decréscimo de -1,7%.

Em Dezembro de 2022, Paris e Lisboa eram as cidades mais caras no preço por metro quadrado (€ 4.947/m²), seguidas por Milão (€ 4.773/m²), Barcelona (4.208€/m²) e Madrid (4.009€/m²).

Foto de Jo Kassis em Pexels

Arrendamento com elevada rentabilidade nas cidades do Sul

Os rendimentos brutos de arrendamento (rentabilidade de uma propriedade num ano) estão a aumentar nas principais cidades do Sul da Europa. O crescimento médio dos preços de arrendamento ultrapassou o crescimento médio dos preços de venda, levando assim a rentabilidade bruta nos mercados observados a crescer em média 0.58 pp, em 2022. Dado o contínuo crescimento das rendas e maior pressão sobre os preços de venda, há fortes razões para esperar que esta tendência continue em 2023, com o setor residencial a oferecer perfis de rentabilidade mais atraentes.

Em Dezembro do ano passado, Barcelona acumulou a maior percentagem de rentabilidade bruta com 5,9%. Milão atingiu 5,7%, Lisboa 5,2%, Madrid 5,0% e Paris 3,9%.

No que respeita a previsões para 2023 no arrendamento, o défice de oferta estrutural existente continuará a impulsionar o crescimento das rendas na maioria das principais cidades em 2023. Não se prevê que esta situação seja atenuada por outros fatores, tais como o custo crescente do financiamento e a redução dos preços das casas, o que encoraja ainda mais uma solução de arrendamento a longo prazo.

Foto de Elina Sazonova em Pexels

Preços de habitações para venda devem estagnar em 2023

O grau de correção dos preços nos diferentes mercados de habitação dependerá dos padrões históricos de crescimento, da acessibilidade atual e da estrutura da oferta. Volumes de transação mais baixos irão provavelmente precipitar a correção de preços uma vez que os vendedores são lentos a ajustar as expectativas e o mercado repõe o atraso de meses.

Apesar dos preços da habitação possivelmente mais baixos, prevê-se que a opção de arrendamento a longo prazo continue a crescer como uma alternativa popular. Em 2023 estima-se que os preços de arrendamento aumentem em toda a Europa, enquanto os preços para compra de habitação deverão estabilizar ou cair ligeiramente em 2023, ao analisar Lisboa, Madrid, Barcelona, Paris e Milão.

“Considerando o contexto macroeconómico na Europa, incluindo o provável aumento persistente da Euribor, esperamos que o setor de arrendamento residencial continue a ganhar quota de mercado, e a abrandar o crescimento nos mercados de venda residencial principalmente devido a taxas hipotecárias mais elevadas e à diminuição do poder de compra” concluiu Patricia Zaldivar, Especialista Sénior de Transações da CASAFARI Asset Management.

A CASAFARI encontra-se numa posição única para observar as principais tendências do mercado imobiliário em muitas das principais cidades da Europa. Dispondo de tecnologia própria para indexar, agregar e analisar 250 milhões de anúncios de 30.000 fontes de informação online, a CASAFARI disponibiliza o seu serviço aos principais agentes no mercado imobiliário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

5 × one =