O mercado mudou, porque nós mudámos

Loja
Foto: Pixabay

Sim, o mercado mudou.

Pode parecer cliché, porque já mudou muitas vezes no passado, sempre que houve algo que fez uma pedrada no charco e os negócios e o consumo se reposicionaram.

Mas a verdade é que na área dos cuidados saudáveis e de negócios mais amigos do ambiente há consumidores cada vez mais preocupados e mais envolvidos, em que muitas vezes eles próprios empreendem e trazem soluções diferentes, porque como clientes as buscavam.

Se há anos havia apenas uma ou 2 lojas mais eco-friendly nas áreas metropolitanas das grandes cidades, hoje todos os bairros têm várias ofertas e também nas periferias se encontram negócios que apostam numa vida mais saudável e sustentável – cabazes biológicos, compras alimentares a granel, restaurantes vegetarianos…

Já não é só o vizinho hippie que lá vai: as famílias começaram a incorporar isso no seu estilo de vida normal. Vemos o verdadeiro ciclo da oferta e da procura em harmonia: há procura, gera-se mais oferta, que traz mais procura, que gera mais oferta.

A grande distribuição também percebeu a tendência e já oferece áreas de compra avulso, uma área saudável e biológica muito maior do que há uns anos seria sequer imaginável e até ações que promovem o reaproveitamento de alimentos em fim de vida.

No entanto a revolução está a ser feita sobretudo mais por pequenos negócios de empreendedores.

Curiosamente, até o eterno estigma português da roupa e acessórios em segunda mão parece estar ultrapassado: mercados frequentes e lojas diversas a abrir, mostram que há procura pelo glamour de uma peça diferente. Servida por uma maior consciência económica e ecológica.

As redes sociais trouxeram-nos um novo poder. agora cada um de nós assume o passa-palavra que ajuda a promover pequenos negócios

Porque hoje há um caminho claro no consumo: procuramos mais experiências que objetos, e vivemos nesta dualidade do excessivamente digital tentando ao mesmo tempo ter uma vida mais simples e minimalista.

De facto, as redes sociais trouxeram-nos um novo poder, a nós pessoas comuns, pois agora a recomendação online que cada um de nós assume e o passa-palavra digital, ajudam a promover pequenos negócios, empresas locais e a divulgar parcerias colaborativas.

A crise económica de 2011/2012 fez com que se procurassem soluções mais criativas na tentativa de cortar gastos. E das adversidades nascem sempre oportunidades. Partilha de transporte, espaços de cowork ou sites de compras e vendas entre particulares por exemplo, são sinais visíveis de uma economia que começa a apostar na colaboração para poupar recursos, pessoais e do planeta.

Os recursos mundiais ficam agora gastos já a meio do ano, sendo o resto do tempo até as 12 baladas do dia 31 de Dezembro suportado pelo tal conceito nosso conhecido de “viver acima das possibilidades”. Neste caso… das do planeta.

Resta-nos promover um estilo de vida que condicione e castigue menos esta casa que é a nossa, e que tanto como empreendedores ou consumidores puxemos por negócios que ajudam a poupar recursos e a poluir menos.

Comprar local, evitar produtos descartáveis, minimizar o consumo agropecuário, ou dar vida aos famosos 3Rs – reduzir, reutilizar, reciclar – são apenas algumas ideias que muitos já vão praticando.

Olhem à vossa volta. De certeza há bons exemplos nesse caminho e empreendedores a querer melhorar a vida global neste grande condomínio chamado Terra: vamos ajudá-los?

COMPARTILHAR
Artigo anteriorUBER instala em Lisboa centro operacional europeu
Próximo artigoYoucanevent Live com Dave Meltzer
Paula Salsinha
Marketeer de sangue, sou manager no Grupo Planeta (7º maior grupo editorial no mundo), com experiência em planeamento de negócio e gestão de marcas. Sou também entusiasta de uma vida saudável, onde se cria tempo para o desenvolvimento pessoal. Acredito que cada um pode ser muitas coisas e defendo a partilha, as raízes e uma Portugalidade imensa. Por isso criei o meu manifesto da simplicidade, o projecto Vida 1.0, com inspirações várias para uma vida mais leve. Mais simples. E mais feliz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

9 − three =