Retalhistas negligenciam o uso da IA como ferramenta de venda

Foto de Creative Art em Freepik

Um recente estudo conduzido pela Boston Consulting Group (BCG) e pelo World Retail Congress (WRC) revelou que menos de 13% dos retalhistas estão a investir em soluções baseadas em Inteligência Artificial (IA) para lidar com os desafios do setor.

O estudo analisou as perspetivas de 550 líderes de 12 áreas do setor de retalho, em todo o mundo, e destacou as principais preocupações dos retalhistas em 2023, incluindo a confiança dos consumidores, o aumento dos custos e a volatilidade das cadeias de abastecimento.

De acordo com os resultados, a confiança dos consumidores, os crescentes custos de produção e a imprevisibilidade nas cadeias de abastecimento estão no topo das preocupações dos retalhistas neste ano. O estudo também revelou que 65% dos inquiridos têm uma perspetiva otimista quanto ao crescimento económico em comparação com o ano passado, enquanto apenas 11% acreditam que a economia recuará.

O estudo destacou a relutância de muitos retalhistas em adotar estratégias de longo prazo, como a implementação de soluções baseadas em IA. Menos de 13% dos inquiridos afirmaram estar a investir em soluções de IA para enfrentar os desafios, enquanto a maioria concentra-se em medidas de curto prazo, como o aumento de preços e campanhas de marketing.

Foto de rawpixel.com em Freepik

No que diz respeito às estratégias para lidar com os custos crescentes dos bens de consumo, 55% dos participantes indicaram o aumento dos preços ao consumidor como uma abordagem adotada. Além disso, 52% dos retalhistas estão a renegociar com fornecedores para enfrentar os desafios económicos.

O estudo ressaltou ainda o potencial da IA na definição de estratégias de preços inovadoras, oferecendo sugestões como preços dinâmicos baseados na localização e canais, utilização da IA para compreender a elasticidade dos preços e monitorização em tempo real das fontes de dados de concorrentes.

Em relação à experiência do consumidor, o estudo apontou que muitos retalhistas negligenciam o uso da IA como ferramenta para proporcionar uma experiência personalizada de compra. Em vez disso, as abordagens mais comuns incluem investimentos em programas de fidelização, otimização de oferta de produtos, promoções e experiência digital do cliente.

O estudo concluiu que poucos retalhistas estão a aproveitar todo o potencial da IA para abordar a complexidade das cadeias de abastecimento. A incorporação da IA nessas soluções pode ajudar os retalhistas a entender melhor e lidar com as causas da volatilidade na produção e na procura.

“O novo ambiente retalhista pós-pandémico é mais desafiante, complexo e competitivo do que antes. A grande maioria dos retalhistas está a ignorar uma oportunidade de abraçar soluções alimentadas por IA. Deve-se agir hoje e aproveitar esta vantagem para impulsionar o negócio para o futuro”, sublinha a coautora do estudo, Tiffany Yeh, Managing Director e Partner da BCG.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

nine + ten =