Subida das Taxas de Juro e Inflação são as Principais Preocupações dos Empresários Portugueses

Imagem de rawpixel.com no Freepik

Os empresários portugueses expressaram as suas preocupações em relação às condições económicas atuais, de acordo com os resultados do Barómetro KAIZEN. A pesquisa inquiriu mais de 250 gestores de médias e grandes empresas que representam mais de 35% do PIB nacional.

Mais de metade dos inquiridos identificou a redução de impostos para os consumidores como a medida mais relevante do Orçamento do Estado. No entanto, 83% dos empresários apontaram a redução de custos e o aumento da eficiência como a principal iniciativa para enfrentar a subida das taxas de juro. Além disso, 45% dos inquiridos acreditam que as suas organizações atingirão os objetivos estabelecidos para 2023.

A instabilidade global, incluindo questões como a crise do custo de vida, a subida das taxas de juro e a inflação, afetou a confiança dos empresários na economia portuguesa, que registou uma queda de 10,62 em comparação com a edição de fevereiro de 2023 (11,16).

Além dos obstáculos externos, os inquiridos destacaram a gestão da força de trabalho (69%), a subida das taxas de juro (40%) e a inflação (39%) como os principais desafios enfrentados pelas organizações nos próximos dois anos. Para combater a subida das taxas de juro, 83% dos empresários estão a focar-se na redução de custos e na melhoria da eficiência, enquanto 21% estão a apostar na diversificação de investimentos e renegociação de dívidas.

Imagem de Freepik

Apesar da volatilidade do mercado, 70% dos inquiridos acreditam que as suas empresas atingirão ou superarão os objetivos estabelecidos para 2023. Destes, 55% esperam um crescimento do volume de negócios entre 5% e 15% nos próximos três anos. Apenas 9% preveem crescimento nulo ou negativo.

A União Europeia (61%) e os Estados Unidos da América (28%) são os principais mercados de exportação preferidos pelos inquiridos, destacando o foco nas oportunidades de comércio internacional.

Em relação ao Orçamento do Estado, 80% dos empresários portugueses consideram a redução da carga fiscal das empresas como uma medida importante, enquanto 57% acreditam que a redução de impostos para consumidores é uma aposta sólida.

O “Pacto Social” proposto pela Confederação Empresarial de Portugal, que inclui o pagamento voluntário do 15.º mês isento de contribuições e impostos, é apoiado por 43% dos inquiridos, mas 41% acreditam que existem formas mais eficazes de apoiar os colaboradores sem sobrecarregar as empresas com impostos adicionais.

No que diz respeito ao crescimento das organizações, os empresários destacaram o lançamento de novos produtos/serviços (51%), a melhoria da força de vendas (33%) e a formação avançada/executiva dos colaboradores (32%) como as principais estratégias a serem adotadas no próximo ano.

Por fim, a atenção ao ESG (Ambiente, Social e Governança) tem vindo a aumentar, com a aplicação de iniciativas ambientais (46%) e práticas de Diversidade, Equidade e Inclusão (32%) identificadas como as principais prioridades das organizações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

seventeen − fifteen =