Tecnologia Digital: Projeções Apontam para um Crescimento de 15% em 2024

Imagem de tecnologia digital de investigadores do ensino superior
Imagem de rawpixel.com no Freepik

A consultora International Data Corporation (IDC) revelou as suas projeções para o cenário tecnológico português em 2024, apontando para um aumento significativo nos gastos com tecnologia digital em comparação com o crescimento económico do país.

De acordo com a IDC, prevê-se um crescimento anual de 15% nos investimentos em tecnologia digital, com ênfase especial em áreas como Inteligência Artificial (IA), Cloud Computing e Cibersegurança. Este aumento substancial nos gastos tecnológicos é impulsionado pela procura crescente por modelos de negócio digitais e pela busca por capacidades digitais mais avançadas por parte das organizações. A IA, a Cloud e a Cibersegurança são identificadas como as tecnologias que liderarão esse crescimento ao longo do ano.

Gabriel Coimbra, Vice-Presidente do Grupo e Diretor da IDC Portugal, destaca que, apesar do contexto geopolítico e do abrandamento económico, o investimento contínuo em tecnologias digitais é essencial para a competitividade das empresas. O rápido avanço da IA Generativa está a transformar a IA de uma tecnologia “embrionária” para uma peça central nas organizações, impulsionando ainda mais os investimentos nessa área.

No entanto, a IDC observa que o crescimento esperado para 2024 é inferior aos anos anteriores, como 2021 e 2022, quando os investimentos em transformação digital registaram taxas de crescimento de 34% e 21%, respetivamente. Esta desaceleração é atribuída a diversos fatores, incluindo incertezas económicas globais e crises geopolíticas.

Foto de Freepik

Inflação e Taxas de Juro Condicionam Investimento em TI

Os executivos de alto escalão (C-suite) enfrentam desafios adicionais relacionados à inflação e às taxas de juro, que influenciam diretamente os gastos em TI. Encontrar o equilíbrio entre o investimento digital e a gestão de custos é crucial em meio a estas condições voláteis.

Uma das tendências emergentes que marcará a agenda das empresas é a definição de uma estratégia de Governança Ambiental, Social e Corporativa (ESG), em resposta à crescente preocupação dos consumidores com a sustentabilidade e a responsabilidade social das empresas.

Por fim, a transposição da Diretiva NIS 2 para a legislação nacional apresenta-se como um desafio adicional. Esta diretiva, que abrange agora setores como saúde, gestão de resíduos e administração pública, exigirá que as empresas reforcem as suas medidas de segurança cibernética e resiliência digital.

A previsão da IDC salienta a importância crítica dos investimentos em tecnologia digital para a competitividade e resiliência das organizações portuguesas. Apesar dos desafios, o investimento contínuo nessas áreas é fundamental para impulsionar a inovação e o crescimento económico do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

five × three =