Empreendedores sociais que estão mudando o Brasil

Empreendedorismo social no Brasil
Foto: Pixabay

Os empreendedores sociais impulsionam a inovação social e a transformação em vários campos, incluindo educação, saúde, meio ambiente e desenvolvimento empresarial. Eles perseguem objetivos de alívio da pobreza com zelo empresarial, métodos de negócios e a coragem de inovar e superar as práticas tradicionais. Um empreendedor social, semelhante a um empreendedor empresarial, constrói organizações fortes e sustentáveis.

Misture boa vontade com conhecimento, entusiasmo e dedicação e você terá a fórmula que constitui o perfil de um empreendedor social brasileiro. Não importa a região, a idade ou a classe social, esses empreendedores lutam diariamente para fazer avançar seus projetos e melhorar a vida de milhares de pessoas.

Veja abaixo quem são os empreendedores sociais que estão mudando o Brasil.

 

Joaquim Melo

O Instituto Banco Palmas foi fundado em 1998 por Joaquim Melo em parceria com a associação dos moradores do bairro de baixa renda Conjunto Palmeira, na cidade de Fortaleza. O banco comunitário ajuda os empresários locais com linhas de crédito a juros mínimos a serem investidos em negócios geradores de renda para beneficiar toda a comunidade. O banco sem fins lucrativos usa sistemas de economia solidária para superar a pobreza urbana e rural através do empreendedorismo.

 

Lucas Alves Gomes

O Favela em Dança foi criada em 2013 com a intenção de democratizar a cultura através da dança nas favelas do Rio de Janeiro. Ao usar a dança como um fator inclusivo, todos beneficiam, especialmente os dançarinos locais que agora ganharam uma plataforma para mostrar seu trabalho ao mundo.

Lucas nasceu no Cantagalo, a comunidade em que ocorrem os festivais Favela em Dança. Eles realizaram dois eventos anuais, atraindo mais de mil pessoas de todas as partes do Rio de Janeiro. A economia local também se beneficia desses eventos: os albergues, os restaurantes e os produtores de eventos obtêm mais empregos durante esse período de alto movimento, provando mais uma vez que Favela em Dança beneficia a todos, seja você um dançarino profissional ou não.

 

Rodrigo Baggio

Em 1995, Rodrigo Baggio fundou o CDI (“Center for Digital Inclusion” ou “Centro para a Inclusão Digital”) para superar a exclusão digital, uma vez que 79% da população do nosso planeta está excluída do acesso ao desenvolvimento técnico. O CDI é uma organização social que utiliza tecnologia para mudanças sociais para combater a pobreza, fortalecer as comunidades e incentivar o empreendedorismo, a educação e a cidadania.

Hoje, a CDI chama-se Recode e está presente em 7 países e estende-se a partes remotas da América Latina, beneficiando pessoas de diferentes idades, culturas, raças e etnias.

 

Sérgio Andrade

Sérgio Andrade fundou a Agenda Pública para melhorar a gestão pública. A organização sem fins lucrativos incentiva a participação social através do desenvolvimento de parcerias entre governos locais, sociedade e empresas privadas para abordar questões como habitação e saneamento básico. Atualmente, a Agenda Pública opera em seis estados brasileiros.

 

Vera Cordeiro

 

A organização fundada em 1991 por Vera Cordeiro trabalha para ajudar as crianças que foram hospitalizadas e que vivem abaixo da linha de pobreza, promovendo a autossuficiência económica e social de suas famílias. Por três décadas, a Associação Saúde Criança tem vindo a utilizar uma metodologia pioneira para reestruturar famílias com crianças em situações de vulnerabilidade social, auxiliando-as com uma variedade de necessidades, tais como: cuidados de saúde, habitação, cidadania, educação e profissionalização.

 

Os empreendedores sociais são uma raça especial de líderes

Empreendedorismo Social

O empreendedor social deve ser entendido como alguém que tem como objetivo atingir a um equilíbrio infeliz, mas estável, que causa negligência, marginalização ou sofrimento de um segmento da humanidade; que traz sobre essa situação sua inspiração, ação direta, criatividade, coragem e força; e que visa o estabelecimento de um novo equilíbrio estável que assegure benefícios permanentes para o grupo alvo e a sociedade em geral.

Empreendimentos sociais e empreendimentos empresariais também se assemelham no fato de que, para darem certo, é preciso que haja publicidade para que o máximo de pessoas conheça estas iniciativas. Se você tem essa vontade de mudar a sociedade e já tem um empreendimento social, procure parceiros para investir na sua iniciativa e contrate uma agência de publicidade.

Embora possamos desejar mais comportamentos empresariais em ambos os setores, a sociedade precisa de diferentes tipos e estilos de liderança. Os empreendedores sociais são uma raça especial de líderes, e eles devem ser reconhecidos como tal. Esta definição preserva seu status distintivo e assegura que o empreendedorismo social não seja tratado de forma leve. Precisamos de empreendedores sociais para nos ajudar a encontrar novos caminhos para a melhoria social à medida que entramos no século XXI.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

twelve − 6 =