Andrea Mata: “Precisamos ampliar a participação feminina em setores masculinos”

A engenheira Andrea Mata quer encorajar outras mulheres a correrem atrás de seu sonho, mesmo para cargos tradicionalmente masculinos.
Andrea Mata

A engenheira biomédica Andrea Isabel Mata Gutierrez quer aproveitar o pioneirismo para encorajar outras mulheres a correrem atrás de seu sonho, mesmo que ele envolva cargos que são tradicionalmente masculinos.

Contratada pela Getinge México, em março passado, como engenheira do departamento de serviços – a primeira a ocupar esta posição no país – a engenheira biomédica Andrea Isabel Mata Gutierrez quer aproveitar o pioneirismo para encorajar outras mulheres a correrem atrás de seu sonho, mesmo que ele envolva cargos tradicionalmente masculinos.

A sua aspiração de integrar o departamento de serviços casou-se perfeitamente com a política da empresa de estimular o crescimento profissional feminino. E a recetividade da equipa totalmente masculina, que em princípio ela receava ser desafiadora, acabou por se tornar uma conquista pessoal e profissional muito satisfatória e fonte de aprendizagem mútua.

Qual é a sua formação e como foi sua trajetória profissional? – Sou engenheira biomédica e trabalhei como profissional independente na minha cidade natal, San Luis de Potosí, durante cerca de quatro anos. Quando mudei para Guadalajara comecei a trabalhar para uma empresa de comercialização de serviços e equipamentos médicos. Ali tive contato com a área de serviço, fazendo manutenção preditiva, preventiva e corretiva de equipamentos, capacitação, além de coordenar a equipa de engenheiros biomédicos da empresa. Esse trabalho abriu-me a oportunidade de integrar a equipa da Getinge.

Por que decidiu se candidatar ao cargo na Getinge? – Soube que a empresa procurava uma engenheira para ocupar uma vaga no departamento de serviços, que era formado apenas por homens. Se eu fosse escolhida, seria a primeira mulher a ocupar essa posição na empresa. Esse desafio encantou-me. Considero uma grande conquista poder abrir caminho para outras mulheres e transmitir-lhes confiança. Essa é uma das minhas maiores satisfações.

Foto de This Is Engineering em Pexels

As políticas de equidade e diversidade da empresa contribuíram para a sua decisão? – Sabia que já havia uma primeira gerente de serviços na Colômbia e constatar o valor que a Getinge dá às mulheres motivou-me. É notório que existe na empresa espaço para o crescimento profissional de mulheres e a consciência de que elas podem tomar parte e ocupar qualquer tipo de posição, existindo igualdade de fato e que ela é importante.

Quais são seus planos para a nova posição? – Continuar a desenvolver as minhas competências e poder dar as boas-vindas a mais engenheiras, além de partilhar as minhas capacitações para apoiar o crescimento da área de serviços e fazer com que mantenha a excelência do trabalho que oferece.

“As mulheres devem correr atrás dos seus sonhos, mesmo em profissões tradicionalmente masculinas”.

Acredita que a contratação de uma mulher nesta área terá impacto positivo para os clientes? – Sim, o fato de contar com mulheres na equipe gera confiança, segurança e mais organização nos processos. 

Quais foram seus principais desafios? – Não saber como seria recebida no departamento, porque o setor de serviços envolve trabalho duro, carregar pesos, jornadas prolongadas e muitas viagens. A verdade, porém, é que estou em uma equipa incrível, que me abriu as portas e me deu todas as oportunidades. 

Como foi a reação das mulheres da empresa? – Recebi grande apoio delas também. Sentiram-se confiantes de que eu poderia realizar um bom trabalho e na minha visão, consegui demonstrar, nesses poucos meses, que posso realizar qualquer atividade que um engenheiro homem realiza, e que o género não é uma limitação.  

Quais são as principais aprendizagens da nova situação? – Trata-se de um departamento que funcionou com equipa 100% masculina durante 12 anos. Então, essa é uma transição de muito crescimento para todos. A equipa terá que aprender a lidar com uma mulher nesta posição e eu estou muito emocionada por verificar que meus temores não se confirmaram. Vejo essa experiência como um grande êxito para mim, para a equipa e para a empresa. 

Foto de This Is Engineering em Pexels

Acredita na contratação de mais mulheres para o departamento? – Tenho esperança de que sim. Pretendo dar tudo de mim, para que meus coordenadores e diretores vejam o quanto podemos agregar ao setor de serviços e procurem contratar mais engenheiras para o departamento. É uma maneira de contribuir para que o lema da Getinge “Paixão pela Vida” continue crescendo.

O que significa para si “Paixão pela Vida”? – Saber que posso contribuir com processos que ajudem a melhorar o diagnóstico, procedimentos e recuperação dos pacientes, salvando vidas, dá-me muita satisfação. 

Como vê a relação deste lema com o seu trabalho? – Enquanto engenheiros temos a grande responsabilidade de assegurar que os equipamentos funcionem perfeitamente e que não falharão em algum momento crítico com o paciente. Somos uma ferramenta para melhorar a saúde dos pacientes. 

Gostaria de deixar alguma mensagem para as mulheres? – Estou muita grata pela oportunidade de ser parte dessa equipa, dessa empresa e às pessoas que abriram este caminho. É importante que as mulheres lutem sempre pelos seus sonhos e não aceitem que ninguém diga que é difícil ou que não podem fazer. Que continuem também abrindo caminho para outras mulheres, assim como pretendo fazer, para termos futuras engenheiras trabalhando no departamento de serviços. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

fifteen − thirteen =