“Future of Soft Skills” – A revolução ao nível das competências já começou

Imagem de mohamed Hassan por Pixabay

O handbook, realizado pelo Grupo Cegos, traça um retrato das mudanças que ocorrem hoje no mercado do trabalho e lança as principais pistas e ferramentas para que as organizações acelerem o ritmo de desenvolvimento das competências das suas equipas em contexto digital.

De forma a impulsionar a empregabilidade dos indivíduos e incrementar a performance coletiva das organizações, numa altura em que a aceleração e transformação exponencial são marcantes no mercado laboral, a CEGOC – representante em Portugal do grupo Cegos, especialista em consultoria, formação e recrutamento – apresentou o handbook “Future of Soft Skills”.

O documento dá conta da realidade complexa do mercado de trabalho, na qual os modelos de negócio tradicionais estão a ser sistematicamente ultrapassados por empresas, em muitos casos, com menos de 10 ou 15 anos de existência; e onde a Inteligência Artificial e as alterações tecnológicas profundas obrigam à constante aprendizagem, para acompanhar o ritmo por vezes avassalador da mudança.

Numa réplica ao relatório “Future of Jobs”, produzido pelo World Economic Forum, a CEGOC apresenta no “Future of Skills” as técnicas e as metodologias que vão fazer a diferença entre os profissionais de amanhã.

O relatório do World Economic Forum prevê o desaparecimento de 5 milhões de postos de trabalho e a sua substituição por mecanismos de inteligência artificial e robôs. O mesmo estudo antecipa a criação de 2,1 milhões de novos empregos que irão exigir competências não só técnicas (nas áreas de TI, matemática, arquitetura de rede e engenharia) como transversais, que incluem vasta cultura geral, competências sociais (trabalho em equipa, inteligência social, etc.) e competências situacionais (autonomia, capacidade de (re)aprender a aprender, etc.).

Como podemos, de forma simples, definir soft skills?

Ao contrário das hard skills, que requerem competências técnicas e metodológicas, as soft skills podem ser definidas como competências comportamentais – interpessoais, situacionais e emocionais – que ajudam as organizações e os seus colaboradores a lidar com a complexidade e a imprevisibilidade do mundo que os rodeia.

A CEGOC alerta para a necessidade das empresas precisarem, cada vez mais, de pessoas criativas, ágeis e adaptáveis, capazes de conviver e lidar com as mudanças constantes mercado. É ainda fundamental complementar a aquisição de um quadro de competências iminentemente técnicas inerentes ao saber fazer mais hard de cada profissão, com a aquisição e desenvolvimento de soft skills emocionais, comportamentais, sociais e humanas – competências que nenhuma tecnologia consegue (para já) substituir e que prometem vir a ser os ativos mais procurados pelos recrutadores.

No entender de Fátima Gonçalves, Head of Learning & Development Solutions e Digital Learning Coordinator na CEGOC, “estas mudanças profundas levam a que todos e cada um de nós precisemos de estar constantemente a aprender para melhor nos adaptarmos às flutuações e modificações inerentes à nossa função, profissão ou ambiente de trabalho. Neste contexto, torna-se crucial definir e desenhar uma nova abordagem à formação profissional necessária para que pessoas e tecnologia digital trabalhem em conjunto de forma ágil, inteligente e eficaz.”

Para a CEGOC essa abordagem deve ter em conta premissas fundamentais como aspetos “mais humanos” no trabalho e competências como cooperação, criatividade, liderança, trabalho de equipa ou empreendedorismo. Também a interação humana continuará a ser crucial para uma aprendizagem sólida, com sessões em sala, coaching, aprendizagem entre pares e o apoio na transferência da aprendizagem para o contexto real de trabalho, orientação das chefias diretas.

Num mundo onde será cada vez mais necessário aprender e reaprender a aprender, a missão das entidades formadoras passa por “incrementar a aquisição e a transferência das competências para contexto real de trabalho através de percursos de aprendizagem eficazes, envolventes (que integrem também os recursos digitais mais inovadores) e com um impacto mensurável e duradouro”, sublinha Fátima Gonçalves.

Para descobrir como podem pessoas e organizações antecipar estas profundas e impactantes mudanças, em vez de lidarem simplesmente com as suas consequências, descarregue o handbook “Future of Soft Skills” aqui: https://www.cegoc.pt/digital-learning/up#softskills

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

5 × four =