Qual é o momento de pensar em mudar de emprego?

Qual é o momento para mudar de trabalho?
Imagem de rawpixel por Pixabay

Recentemente, uma das pessoas com a qual tive a oportunidade de trabalhar durante um certo tempo, e com uma posição bastante interessante, resolveu mudar e trabalho. Antes do anúncio de sua saída, ela simplesmente disse: “Mikael, é hora de dar tchau!”

Confesso que na hora me lembrei dos Teletubbies, famoso seriado infantil da década de 90 em que um tubo falante exprimia a seguinte frase: “É hora de dar tchau!

Naquele momento eu não entendi a sua decisão. Depois de alguma reflexão, recordei do que disse o chef de cozinha Francis Mallmann em um episódio do seriado “Chef’s Table”, da Netflix. Lá, o chefe relata que depois de um tempo trabalhando com ele, as pessoas devem sair. Isto porque ele acredita que deva haver uma troca de energia entre aquele que já aprendeu com ele tudo o que deveria e o novato ávido e com sede por conhecimento.

“ (…) uma troca de energia entre aquele que já aprendeu tudo o que deveria e o novato ávido e com sede por conhecimento.”

Quando você pode ter-se acomodado

Para muitos – e eu me incluo nisso – conseguir trabalhar na empresa dos seus sonhos e ter o trabalho desafiante que sempre desejou, pode representar a meta de uma vida inteira. Com ela surgem vários aprendizados, objetivos, viagens, um bom salário e alguns benefícios. Porém, o passar dos anos e as circunstâncias podem transformar metas desafiantes em pura pressão, antigos aprendizados em rotina, viagens antes deslumbrantes em lugares comuns e um salário que já não cobre mais o seu estilo de vida.

Neste ponto, perder os sinais de que o seu trabalho já não é mais adequado para você é muito mais fácil do que as pessoas imaginam. Para algumas pessoas, isto é ainda mais forte quando se está casado, com filhos e em um país repleto de desempregados.

Eu sei que nós devemos ser tremendamente agradecidos pelo trabalho que temos. Isto principalmente se a sua situação atual atende às suas necessidades. Mas por mais que sejamos gratos, todos sentimos uma profunda necessidade de mudança, que nem sempre se traduz em bons salários, ambientes super criativos ou reconhecimento. A necessidade pode vir de algo mais profundo como o de poder ter mais tempo para si, para a família, mais qualidade de vida, um ambiente menos tóxico ou novos aprendizados e pessoas.

Permanecer em um local que te satisfaz, te remunera bem e em que você está se saindo melhor que a maioria é muito bom! Mas eu convido a pensar no longo prazo e na sua empregabilidade.

Quando sua empregabilidade estiver baixa

Depois de um tempo trabalhando como freelancer,  você logo aprende que para receber bons projetos e ter os melhores clientes, você precisa ter histórias para contar. Isso mesmo, histórias.

São as suas histórias cheias de muito trabalho, inúmeros desafios, suor e conquistas. Elas são que com frequência chamamos de currículo, portfólio ou de perfil – no caso de alguns freelancers.

Ao fim de cada projeto, além de ganhar um novo parceiro de negócios, eu coleciono mais e mais histórias. Você se lembra de quão boas histórias a sua carreira possui? De quais foram os grandes desafios que você já enfrentou e venceu? Daquilo que era bem difícil no início e que depois ficou muito fácil? Pois é, às vezes é bom ter isso de volta.

Mas aí pode pairar a dúvida de como saber qual é a hora certa para começar a pensar em mudar de trabalho e de projeto. Um bom sinal é tentar descobrir a sua taxa de empregabilidade, ou seja, o quão rápido você pode se realocar ou adaptar-se a um novo projeto.

Resumidamente, eu poderia dizer que quando você estiver em um lugar que não te desafie, que não lhe forneça oportunidades e novos desafios, ou quando você perceber que pode estar oferecendo mais ao trabalho do que recebendo dele, a sua empregabilidade já pode estar caindo consideravelmente.

“Quando você perceber que pode estar oferecendo mais ao trabalho do que recebendo dele”.

Ao realizarmos as mesmas tarefas e lidarmos com as mesmas pessoas durante um certo tempo, pode contribuir para criarmos uma bolha à nossa volta. Essa bolha concentra as atividades e os relacionamentos com os quais já estamos acostumados a lidar. Não há atritos, descobertas, emoção. Às vezes há um quê de frustração, de sentimento de subutilização e estresse.

Para que possa identificar alguns sinais que podem servir de alerta para que as pessoas pensem em mudar de trajetória, separei os 5 mais claros que identifiquei.

Mulher sentada frente a um computador tapando a cara com as mãos e numerosas setas desenhadas à sua volta, apontando em diversas direcções.

5 sinais que indicam que você deve pensar em mudar de rumo

Mudança de personalidade

Quando ao entrar no escritório, ou durante a execução de seu trabalho diário, você adota uma personalidade totalmente diferente da que assumiria se estivesse com sua família e amigos. Ou seja, quando você não consegue ser “você mesmo” no trabalho. Isto por pressão pessoal ou por que o ambiente não propicia que você aja desta forma.

O loop do estresse

Você está trabalhando em um grande projeto. Ele é bastante estressante e você já passou por esta situação várias e várias vezes. Ao terminá-lo este projeto, outro já está na fila. Depois desse outro, e mais outro e mais outro. Em cada projeto você recebe uma dose de estresse e ansiedade, como em um loop. Às vezes você acorda no meio da noite preocupado com o trabalho do dia seguinte.

Ausência de perspetiva

Quando você não vê nenhuma oportunidade de avançar na companhia da qual está fazendo parte. Não importa o quanto você trabalhe duro e se esforce para mostrar aos gerentes do que é capaz. É aquela famosa promoção que nunca vem.

Trabalho e vida pessoal se confundem

Quando em plena terça-feira você já fica ansioso pelo fim-de-semana, mas quando o sábado chega, você fica preocupado com o trabalho e até acorda mais cedo no domingo para resolver assuntos que seriam tratados apenas na segunda-feira. Isto é muito comum na modalidade de trabalho home office onde ao se tentar pegar um projeto atrás do outro pode fazer com que o indivíduo acabe por se isolar dentro de casa.

Detestar o que está fazendo

Você detesta as segundas-feiras e vai ao trabalho na esperança que a sexta-feira chegue o mais rápido possível. Você detesta ir trabalhar e torce para que seu horário termine o mais rápido possível. Mas é o contrário que acaba acontecendo.

Ignorar os sinais do corpo

O corpo é um dos melhores conselheiros que podemos ter. Escute-o! Suas pernas doem por passar muito tempo sentado ou em pé? Você já tem sentido os sintomas físicos que o estresse pode causar? Talvez seja a hora proporcionar ao seu corpo o descanso que ele merece.

Homem sorrindo com etiqueta colada na testa dizendo "be happy".

Estes são apenas alguns sinais. Observe o seu estágio pessoal e profissional e assegure-se de que sua taxa de empregabilidade esteja dentro dos parâmetros do mercado. Ou seja, esteja competitivo no momento em que decidir mudar.

Você pode preparar-se com cursos, com uma viagem, com a prática de exercícios, começando a ter mais tempo com a família, etc. Você não precisa romper tudo de uma vez (a não ser que seja extremamente necessário). Converse com algumas pessoas e escute seus instintos para saber a hora certa de mudar de rota.

Qual é a sua opinião? Você já se deparou com algum destes sinais antes de decidir mudar de trabalho? Quais são outras sugestões que você gostaria de acrescentar? Entre na conversa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

4 × 5 =