Comunicação: a chave para combater o estigma da saúde mental

Foto de pikisuperstar no Freepik

Um relatório recente da equipa de Saúde da LLYC revelou que a comunicação é um fator crucial para combater o estigma da saúde mental. A pandemia, que tem afetado a saúde mental da população em todo o mundo, especialmente dos adolescentes, tem-se agravado com a polarização, a falta de sono e os efeitos negativos das redes sociais sobre a autoestima e o aumento do sentimento de solidão e isolamento entre as pessoas. Neste contexto, é urgente encontrar soluções para lidar com os distúrbios de saúde mental.

O relatório “Diferentes realidades que alteram a vida: a crise global da saúde mental pós-pandemia” sugere que a empatia, o uso de inteligência artificial e a comunicação eficaz são os ingredientes-chave para uma estratégia de comunicação bem-sucedida. Os dados e a inteligência artificial podem ajudar a compreender o problema e a desenvolver campanhas autênticas para fazer com que a pessoa afetada procure ajuda.

“A saúde mental é um problema potencialmente crescente que precisa ser enfrentado. Isto requer uma combinação de abordagens que parta do reconhecimento do problema, passe das palavras aos actos e envolva a sociedade, os doentes, os médicos e as instituições de saúde”, diz Gina Rosell, Sócia e Diretora Sénior da Healthcare Europe na LLYC.

“É essencial utilizar tecnologias avançadas como os Grandes Dados e Inteligência Artificial para conceber uma estratégia de comunicação eficaz e assegurar que as pessoas recebam os cuidados e tratamentos de que necessitam”, acrescenta.

Ilustração de Freepik

O relatório sugere três abordagens para ajudar as pessoas a identificar o problema e combater o estigma da doença mental:

1 – Compreender para ajudar: a empatia e os dados. É importante entender a realidade enfrentada pelas pessoas afetadas e dimensionar o problema para impulsionar a procura de recomendações por parte de profissionais e instituições de saúde. É necessário analisar a conversa social e ouvir o que as pessoas afetadas dizem e tentar assimilar a sua perspetiva e experiência da realidade.

A aplicação das soluções de Big Data e AI para analisar a conversa social pode ajudar a descobrir as preocupações das pessoas que sofrem da doença. No entanto, é igualmente importante ir para além das redes sociais e ouvir as pessoas através de entrevistas e interações cara-a-cara para compreender a sua perspetiva e reunir insights relevantes para criar uma narrativa que ligue e entregue mensagens personalizadas através dos canais certos.

2 – Desestigmatização: comunicação que abre o caminho para a aceitação. É essencial abordar o tema da saúde mental com frequência e transparência para aumentar a consciencialização. As campanhas devem ser autênticas e transmitir uma mensagem que se relacione com as necessidades do público.

O movimento global liderado por influentes e celebridades que procuram falar abertamente sobre saúde mental nas suas redes sociais é uma mudança encorajadora que promove a vulnerabilidade, a necessidade de reconhecer o problema e de procurar ajuda. As empresas podem aproveitar esta oportunidade para se ligarem ao seu público e contribuir para a desestigmatização da saúde mental.

Ilustração de pikisuperstar no Freepik

3 – Campanhas eficazes e multicanais para criar confiança e impulsionar a procura de ajuda. Estudos mostram que 60% das pessoas que precisam de ajuda não a pedem. É fundamental desenvolver estratégias de comunicação bidirecionais e multicanais com mensagens diferenciadas por audiência e informação fiável para assegurar que todas as pessoas afetadas tenham acesso a cuidados profissionais e medicamentos que tenham desenvolvido valor terapêutico.

As estratégias de comunicação devem incluir a educação, sensibilização e motivação das pessoas para procurarem ajuda profissional, além de projetos de advocacia que criem confiança entre a sociedade, a comunidade médica e as instituições de saúde. Utilizar tecnologias avançadas como os Grandes Dados e Inteligência Artificial é fundamental para conceber uma estratégia de comunicação eficaz e assegurar que as pessoas afetadas tenham acesso a cuidados profissionais e medicamentos que tenham desenvolvido valor terapêutico.

Em suma, a comunicação é a chave para quebrar o estigma da saúde mental e garantir que as pessoas recebam o suporte necessário para enfrentar os desafios que surgem. A crise global da saúde mental pós-pandemia é uma realidade que precisa ser enfrentada com empatia, transparência e ações concretas, e a implementação de uma estratégia de comunicação eficaz é essencial para alcançar esse objetivo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

9 − 1 =