Teoria comportamental da administração: o que é e qual a importância dela

Imagem de Mohamed Hassan do Pixabay

Já ouviu falar sobre a teoria comportamental da administração, seus conceitos, aplicações, ou sabe dizer por quê é uma ferramenta tão importante para o bom funcionamento de uma empresa?

Se você está no momento de planejamento de carreira no mercado de trabalho, a teoria comportamental da administração certamente fará parte da sua rotina, uma vez que esta é cada vez mais aplicada no âmbito empresarial, principalmente por gestores de equipas.

As empresas que aderem à teoria comportamental da administração desprendem-se de padrões de funções com o objetivo de entender e explorar o real potencial do colaborador, motivando-o de acordo com resultados por ele apresentados.

Imagem de Hugo Hercer do Pixabay

Afinal, o que é a teoria comportamental da administração?

A teoria comportamental da administração parte do princípio que, entendendo as diferentes personalidades dos indivíduos que trabalham num local, é possível geri-los de uma forma mais assertiva.

Mas como é que isso acontece?

Esta teoria explica que cada pessoa é impulsionada por necessidades que podem ser objetivas ou subjetivas. Por conta dessas necessidades, o colaborador irá adequar-se ao perfil da empresa, para que continue a fazer parte da organização. 

Do outro lado, está o gestor, que também cria os processos organizacionais para que o colaborador trabalhe, mas com foco nos objetivos da empresa. Para alavancar a produção, ele pode oferecer recompensas: promoções, salário melhor, entre outros benefícios. 

Ao ser parte dessa “colmeia”, o colaborador trabalhará, além da função da supressão de necessidades, para o crescimento da empresa, uma vez que ele se vê como parte essencial dos processos ali existentes.

Imagem por OpenClipart-Vectors do Pixabay

Como surgiu a teoria comportamental da administração?

A teoria comportamental da administração advém da década de 40. O seu principal expoente foi Herbert Alexander Simon, que apontou a importância do bom comportamento do colaborador para o sucesso ou fracasso de uma empresa.

Valorizando o comportamento humano, a teoria comportamental da administração “quebra” paradigmas ao expor que as relações de trabalho somente serão frutíferas caso levem em conta as necessidades de quem faz a roda, efetivamente, girar.

Esta teoria é contrária às ideias anteriores da Escola das Relações Humanas, seguindo uma linha behaviorista na qual acredita-se que todos os comportamentos do homem, sozinho ou em sociedade, são resultados de experiências anteriores e condicionamentos.

Imagem de Hoàng Đặng Tiến do Pixabay

Principais estudos da teoria

Apesar de ter sido inicialmente apontada por Simon, existem diversos outros estudos da teoria comportamental da administração, bem como diversas aplicações diferentes, que devem ser minuciosamente analisadas pelos gestores das empresas.

Neste artigo vamos conferir os principais estudos da teoria comportamental da administração.

Pirâmide de Maslow: hierarquia das necessidades

Também chamada como Teoria da Hierarquia das Necessidades Humanas, a Pirâmide de Maslow é baseada na ideia de que a motivação de cada indivíduo, assim como sua satisfação diante da vida, está diretamente ligada às supressões de suas necessidades.

A teoria recebe esse nome por conta de seu criador, Abraham Maslow, que percebeu que o comportamento do homem está totalmente relacionado com o atendimento das suas preocupações. 

Por exemplo: quando alguém está com sono, pode sentir-se irritado a ponto de não se conseguir concentrar em mais nada. Ao dormir, entretanto, isso passa.

Quando aplicamos esse conceito num âmbito empresarial, fica claro que, quando um colaborador sente que seus interesses estão ligados aos da empresa, ele estará mais inclinado a entregar resultados melhores, já que estes resultarão em algum benefício.

Hierarquia das Necessidades de Maslow
Pirâmide de Maslow por J. Finkelstein (traduzido para pt-BR por Felipe Sanches) em Wikipedia

Teoria comportamental da administração dos 2 fatores de Herzberg

Por sua vez, a Teoria dos Dois Fatores, também chamada de Teoria de Herzberg, é uma teoria comportamental da administração na qual condições de trabalho e desenvolvimento de relações interpessoais são diretamente responsáveis pela motivação do colaborador.

Isso significa que, quanto mais o gestor investir em melhores equipamentos, oferta de benefícios e melhoria salarial, e quanto mais aberto a diálogos e feedback for o gerente de uma determinada área, mais o colaborador se sentirá satisfeito e motivado.

Então, ocorre uma troca: de um lado, o gestor encarrega-se de questões administrativas e financeiras. Do outro, o colaborador produz para que o gestor tenha condições de, constantemente, disponibilizar melhores condições de trabalho para seus funcionários.

Teoria X e Teoria Y de McGregor

Para McGregor, X e Y são, na verdade, duas personas que podem ser encontradas no mundo corporativo. 

A Personalidade X é baseada em teorias tradicionais, mecanicistas e pragmáticas, enquanto a Personalidade Y é baseada em conceitos modernos do comportamento humano.

Trazendo isso para o âmbito empresarial, a persona X é aquela que se atém a cumprir somente as suas obrigações, não possui grandes ambições e que, normalmente, ignora suas responsabilidades laborais. 

Por sua vez, a persona Y é proactiva, ambiciosa, disposta a ouvir críticas construtivas relacionadas com o seu trabalho e que tem, como principal característica, o comprometimento com os seus objetivos pessoais e, também, os objetivos da empresa.

Quando aplicada pelo gestor, essa teoria faz com que as personas Y se destaquem e se desenvolvam mais, profissionalmente falando, do que as personas X.

Imagem de Christiana Mergan do Pixabay

Vantagens da aplicação da teoria comportamental da administração

É vantajoso aplicar a teoria comportamental da administração porque, para uma organização ser inovadora e competitiva no mercado, ela deve apostar na diversidade, reunindo profissionais com diferentes experiências e perfis.

Todas essas aplicações, em diferentes níveis, incentivam os gestores a conhecerem os seus colaboradores, motivando-os constantemente para que estes sigam tendo vontade de produzir, uma vez que encontram benefícios nisso.

Além disso, a teoria comportamental da administração ajuda a mapear comportamentos que podem ser objeto de estudo e pesquisas científicas, mesmo dentro de um ambiente corporativo. 

Conclusão

Como se pode perceber do decorrer deste texto, existem inúmeras aplicações para a teoria comportamental da administração, cada uma com características diferentes para entender o comportamento humano dentro de ambientes empresariais.

Elas são extremamente benéficas para uma corporação, uma vez que garante que seus trabalhadores estejam constantemente motivados e prontos para entregar os melhores resultados dentro de suas competências profissionais.

Assim, compreender os valores da sua empresa, bem como a missão dela, irá ajudar-lo a encontrar a melhor aplicação da teoria comportamental da administração para a sua organização, assim como poderá ajudá-lo a entender onde – e como – erros estão a ocorrer, para os poder corrigir.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui

20 + 18 =